Translate

terça-feira, 22 de novembro de 2016

CURSO DE FILOSOFIA ESPÍRITA – LIVRO 3 CAP 10




O PRINCÍPIO INTELIGENTE – SUA EVOLUÇÃO NOS REINOS INFERIORES

Bibliografia
DEUS – ESPÍRITO – MAT’RIA – Manuel de O Portásio f. – edit FEESP
FILOSOFIA ESPÍRITA TOMO II – Manoel P São Marcos – Edt FEESP
A EVOLUÇÃO DO PRINCÍPIO INTELIGENTE – Durval  Ciamponi – Edit FEESP
O LIVRO DOS ESPÍRITOS – Allan Kardec – Edi FEB

REFLEXÃO
OS AUTOMATISMOS DA PSIQUE HUMANA TÊM SUA ORIGEM NOS REINOS INFERIORES?
Muitas são as ações do cérebro em órgãos do nosso corpo. Ações estas que por vezes passamos a existência sem as perceber.

As batidas cardíacas são governadas pela psique humana, tanto que quando nos assustamos, ela imediatamente dispara a fim de reativar o mecanismo de defesa corporal a eventuais perigos.

O aparelho digestivo exerce uma série de movimentos no sentido de absorver os nutrientes do alimento e separa automaticamente o resíduo indesejável para posterior excreção.

Esses automatismos se encontram registrados na constituição biológica da célula ou é parte integrante de um psiquismo que caminha no tempo e se situa fora do corpo físico?

1 PARTE OBJETIVO DESTA AULA
Esta aula tem por objetivo dar prosseguimento na investigação acerca da existência . nosso foco será o princípio inteligente: conceito, atributos, natureza e, sua evolução nos reinos inferiores da creação.

2 PARTE INTRODUÇÃO
A doutrina espírita é criacionista assim como a doutrina das diferentes igrejas cristãs também o são. A diferença, porém se encontra no espaço e no tempo. Enquanto estas estabelecem a creação como sendo a creação bíblica ocorrida a 6000 anos atrás com a formação do homem através do barro telúrico e o respectivo sopro divino, aquela separa a creação em duas, uma material e outra espiritual ocorrendo em instantes não necessariamente o mesmo.
A codificação trabalha mais o Espírito em sua fase hominal deixando indícios sobre o Princípio Inteligente, mas as informações trazidas pelos espíritos permitem-nos avançar neste estudo com certo grau de segurança.
Esta aula se baseia na codificação e nos principais pensadores filosófos espíritas como Leon Denis, Herculano Pires a na recente escola filosófica espírita com núcleo na Federação Espírita do Estado de São Paulo.

3 PARTE O PRINCÍPIO INTELIGÊNCIA – CONCEITO E ATRIBUTOS
O Princípio Inteligente é a substancia no sentido aristotélico, não sujeita aos sentidos, ao tempo e ao espaço, estando, pois, dissociadas da forma. É a arché dos filósofos pré-socráticos.

Quando tratamos do Princípio Inteligente, ele já se encontra individualizado formando o Ser o viajor em direção a enteléquia.
No livro I do Livro dos Espíritos, Kardec tratou das Causas Primárias onde desenvolveu o conceito de Deus e dos elementos gerais do Universo, qual seja, espírito e matéria. Tratando espírito com “e” minúsculo quando se refere ao elemento universal. No livro II abordou o ser individualizado e para diferenciá-lo grafou com “E” maiúsculo.
23- Que é o espírito?
 
- O princípio inteligente do universo
Sua natureza íntima nós desconhecemos, pois, sua essência não se compara a nada do que conhecemos. Tal como o conceito de Deus, a essência do que seja o espírito só o entendemos pelo intelecto e jamais através dos sentidos. Estes só nos fazem perceber os efeitos. O atributo principal do espírito é a própria inteligência. Assim é que, filosoficamente, é correto dizer-se princípio inteligência. Na metafísica é a “coisa em si” Kantiana ou a “res cogito”(coisa pensante) cartesiana.
É a inteligência que caracteriza o ser infinito relativo, como também qualifica em grau superlativo o ser infinito absoluto. O espírito é em ultima análise, o fundamento constitutivo do eu. É a entidade única que pode constatar em cada coisa real e ideal o principio metafisico que na anima, que lhe dá unidade e sentido.
Os atributos do princípio inteligência são: uno, eterno, infinito, imutável (não sujeito a evolução) e imóvel.
4 PARTE O SER FRAGMENTO OU PRINCÍPIO INTELIGENTE
No livro II de O Livro dos Espíritos, o codificador fala dos Espíritos com “E”maiúsculo, ou seja, eles agora individualizados.
76 – Que definição se pode dar dos Espíritos?
Pode- se dizer que os Espíritos são seres inteligentes da criação. Povoam o Universo fora do mundo material.
Os Espíritos são seres e não entes. O ser antecede o ente. O ser é o espírito e o ente é o corpo, a matéria. O ser é metafísico e o ente é o físico.
O Espírito é o Princípio Inteligente já na fase hominal, entretanto a filosofia espírita concebe uma etapa anterior não totalmente clarificada na codificação. Seria o Principio Inteligente desde sua fragmentação analógica até a entrada no reino hominal.
Os Espíritos Superiores afirmam a Kardec que “os Espíritos são individualizações do princípio inteligente, como os corpos são individualizações do principio material”.
Como entender o ser fragmento se o ser é de natureza metafísica e indivisível?
Essa divisão é de caráter analógico, não, material ou físico.
O professor São Marcos nos fornece a seguinte definição de Princípio Inteligente baseada na codificação sobre a analógica fragmentação: “o ser fragmento é a unidade homogênea e autônoma, oriunda direta e imediatamente da hipóstase-fonte ou principio inteligência, cuja interação com o princípio matéria produz a vida organizada em sua múltipla e variável forma de ser, que constitui o universo.”
Identificamos o Ser fragmento com Princípio Inteligente e reservamos o termo Princípio Inteligência para a substância ou hipóstase.
5 PARTE A NATUREZA DO ESPÍRITO (PRINCÍPIO INTELIGENTE)
Com respeito a natureza do Espírito é preciso ficar bem claro que não é formado de matéria, nem mesmo de energia sutil ou matéria quintessênciada. O Livro dos Espíritos nos diz:
27 – Haveria assim, dois elementos gerais do universo: a matéria e o espírito?
- Sim. E acima de ambos, Deus, o criador, o Pai de todas as coisas. Essas três coisas são o princípio de tudo o que existe, a trindade universal.
Basicamente são duas substancias heterogêneas entre si e autônomas, tal como na teoria cartesiana: a res cogito e a res extensa. A matéria em sim nada tem de inteligente, sem a ação do espírito ela não se organiza, não se intelectualiza, não adota formas. Não constitui corpos, não realiza absolutamente nada, é o elemento inerte, amorfo e inoperante.
A matéria é a ferramenta de trabalho do espírito que por sua vez aparece no cenário da vida como agente transformador de tudo que existe. Matéria e espírito, todavia, estão em interação necessária e indissolúvel, algemada uma a outra desde princípio.
Hoje, físicos teóricos e expoentes da Física Quântica já admitem que até mesmo o movimento atômico seja dirigido por uma inteligência.
A matéria não possui impulsos inteligentes; ela não tem atributos, ela tem propriedades. Dessa forma a matéria não é a causa ou a sede da inteligência, como também do sentimento ou do comportamento do homem. O cérebro definitivamente, não fabrica a inteligência.
Quanto ao átomo ser o traço de união entre dois elementos fundamentais do universo, lembramos que o movimento atômico não é acéfalo, puramente mecânico, casual. A organização atômica é suficiente para mostrar que ela só existe em razão da inteligência que a organiza e governa.
É assim que “o arcanjo começou pelo átomo” no genuíno ensino da codificação.
6 PARTE OS ATRIBUTOS DO PRINCÍPIO INTELIGENTE
O atributo é tudo aquilo que é inerente ao ser, sem ele o ser não é. O Princípio Inteligência tem  os atributos que foram apresentados, enquanto  o ser fragmento ou o princípio inteligente individualizado tem além deles, outros que decorrem de sua própria existência que a partir de então se trata de sua manifestação enquanto ser.
O Ser tem o ímpeto como atributo primordial, ou seja, a capacidade de agir. Ele não necessita quem ou o que o impulsione, que o ponha em marcha, que o arroje em direção a um alvo. É ele mesmo quem sai de si e se projeta para. Não se trata de uma saída qualquer, banal e sem rum, mas, de uma ação plena de sentido e realização em demanda a algo maior, certo, previsível, atividade inteligente que qualifica o próprio ser que a dirige por isso a inteligência é o atributo essencial do ser fragmento que pauta todas as suas ações por ela. A inteligência manifesta-se por atos de vontade.
Além do atributo ímpeto, o ser fragmento é autônomo em suas ações e homogêneo com os demais seres em sua fragmentação. Possui necessidade da convivência com a outra hipóstase para poder se manifestar.

7 PARTE  A EVOLUÇÃO DO PRINCIPIO INTELIGENTE NOS DIFERENTES REINOS
A partir da “analógica fragmentação”, momento em que o Sr se individualiza, unindo-se a um “quantum” de matéria cósmica, a dinâmica da é posta em marcha e jamais cessa até que o ser atinja as culminâncias da purificação.
A evolução consiste num caminhar sempre crescente e ascendente regido pelas leis divinas que tudo abrangem e solucionam. Desconhecemos a duração do processo, pois a escalada é infinita.
É no espaço cósmico que o ser articula seus próprios desígnios. O ser fragmento transita de experiência em experiência por força do seu ímpeto natural, tutoreado pelos ditames das leis divinas que o dirigem para as instancias existenciais dos reinos da natureza assistido de perto pelas grandes inteligências do espaço que se ocupam dessa tarefa por missão.
Nesta fase não há violação de leis, tudo concorre para a harmonia do universo. O processo evolutivo é infinito. É dito que o ser infinito relativo é perfectível e dinâmico na óptica de Heráclito do “vir a ser” em toda sua existência enquanto o ser infinito absoluto é perfeito e estático.
A partir da atuação sobre as partículas subatômicas dando sentido ao que existe, a próxima ação é em direção a matéria planetária para dualizá-la em inorgânica e orgânica.
Os estágios junto aos reinos não significam propriamente habitação, mas, trabalho junto a. Esforço de aprendizado e preparação para algo maior.
Para o ser fragmento ou principio inteligente trata-se da aprendizagem nos reinos inferiores como preparação para atividades mais complexas.
As características do psiquismo em cada reino são as seguintes:
No reino mineral a principal caracterisitca é a atração, pois aí o principio inteligente desenvolve entre outros o poder organizacional e estético. O campo do conhecimento, a Cristalografia demonstra esse poder através das formas observadas nos cristais. Dentre elas alguns exemplos: a cúbica de corpo centrado (CCC), a cúbica de face centrada (CFC) e hexagonal compacta (HC) entre outras. Exemplos típicos onde se observa a atração e a organização desenvolvida pelo principio inteligente.
No reino vegetal, o evoluir da matéria já apresenta a forma orgânica, organização típica própria para o recebimento do fluido vital, ou seja, a vida. Aqui se desenvolve outras aptidões do psiquismo, como as sensações e os tropismo, ou seja, o fototropismos ( a busca da luz, da energia), o hidrotropismo ( a busca da água e da alimentação através dos minerais). Desenvolve-se assim o sistema de alimentação através da seiva, o sistema de respiração da fotossíntese e o sistema de proteção através da camuflagem, dos espinhos e proteção química (venenos).
No reino animal, nova capacidade psíquica é adquirida: o instinto. Com aquisição da mobilidade os sentidos o servem de orientação a aqui se desenvolvem. Neste reino o principio inteligente adquire nova bateria de conhecimentos e aprendizados. São eles: a conservação (através da proteção e segurança) a manutenção (através da reprodução da espécie e alimentação).

8 PARTE ETIMOLOGIA – ELUCIDAÇÃO DE TERMOS
Para que esta aula fique suficientemente clara e compreensível, resumiremos os principais conceitos tratados nesta parta da doutrina espírita.

- Espírito com “e” minúsculo (observado em O Livro dos Espíritos – Kardec) – é um dos elementos constituintes do universo.

- Espírito com “e” maiúsculo (observado em O Livro dos Espíritos – Kardec) - são os seres inteligentes da criação – Deus os cria por Sua vontade.

- O Princípio Inteligência e o Princípio Matéria (tratado na recente Filosofia Espírita) – são as substancias essenciais da criação.

- O Princípio Inteligente ou o Ser- Fragmento (tratado na recente Filosofia Espírita) – é o ser individualizado oriundo das substancia, a Hipóstase-mãe Princípio Inteligência.

- o espírito (na recente Filosofia Espírita) – é o ser fragmento ou o principio inteligente na fase hominal.

Outros conceitos comuns no meio espírita mas não tratados dentro da Filosofia Espírita são:

- Mônada – termo criado por Leibniz distinto ao utilizado na Filosofia Espírita.

- Principio Espiritual – é de uso corrente no movimento espírita e  até na literatura espírita significando o princípio inteligente e por vezes o principio inteligência.

9 PARTE CONCLUSÃO
Poucos são os campos do conhecimento e muito menos as religiões que vão tão longe ao entendimento da existência. Eles voltam suas atenções exclusivamente ao ambiente terráqueo. a doutrina espírita alarga enormemente os horizontes envolvendo a metafísica e com isto tempo e espaço se alargam para além do ventre e do tumulo e além do planeta Terra.

A doutrina espírita desconhece limites espaciais e temporais fornecendo luzes a antigas questões insolúveis como: quem sou, de onde vim, que faço aqui e para onde vou.

10 PARTE MÁXIMAS/ LEITURAS E PREPARAÇÃO PARA A PRÓXIMA AULA
PRÓXIMA AULA:
LIVRO 3 CAP.11: O PRINCÍPIO INTELIGENTE NA FASE HOMINAL – O ESPÍRITO
LEITURA:
IMPULSOS CRIATIVOS DA EVOLUÇÃO – Jorge Andréa – Edit F V Lorentz
A EVOLUÇÃO DO PRINCIPIO INTELIGENTE – Durval Ciamponi – Edit FEESP
O LIVRO DOS ESPÍRITOS – Allan Kardec – Edt FEB










Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por sua mensagem. Será publicada após aprovação.

imprimir pdf