Translate

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

CURSO DE FILOSOFIA ESPÍRITA – LIVRO 3 CAP 11




O PRINCÍPIO INTELIGENTE NA FASE HOMINAL – O ESPÍRITO

Bibliografia
IMPULSOS CRIATIVOS DA EVOLUÇÃO – Jorge Andréia – Edit. F. V. Lorenz
EVOLUÇÃO DO PRINCÍPIO INTELIGENTE – Durval Ciamponi – Edit FEESP
O LIVRO DOS ESPÍRITOS – Allan Karded Edit FEB

REFLEXÃO

A ESCALADA EVOLUTIVA E AS VIRTUDES
Consistiria a escalada evolutiva somente em aquisição de virtudes?
 Ou o conceito de evolução é muito mais amplo?
O desenvolvimento espiritual envolve o conhecimento, a criatividade e as atitudes.
Por conhecimento entenda-se o desvendar das leis naturais.
E finalmente, as atitudes seriam a real execução daquilo que foi concebido pela criatividade, a qual resulta em experiências adquiridas.

1 PARTE OBJETIVO DESTA AULA
Nas aulas anteriores investigamos a gênese do princípio inteligente seguido de suas inúmeras vivencias nos reinos inferiores. Nesta aula estudaremos o princípio inteligente se manifestando no reino hominal, desenvolvendo outras potencialidades latentes em si.

2 PARTE INTRODUÇÃO
O viajor cognoscente estagia nos diferentes reinos e em cada um deles adquire conhecimentos que o reino lhe possibilita, o qual fará parte de sua bagagem intelectiva. A matéria nos estágios que se encontra nos reinos inferiores contribui dentro de sua limitação, no fornecimento de experimentações condizentes ao estado físico. Mas isso não é pouco. O viajor adquire esses aprendizados em doses homeopáticas cresce na escala evolutiva.

O reino hominal lhe abre uma série de possibilidades de experimentações agora de suas novas potencialidades como a razão e as emoções.

3 PARTE VISÃO DA CODIFICAÇÃO SoBRE A TRANSIÇÃO
O mestre liones perscruta os Espíritos Superiores sobre a evolução do princípio inteligente e sua transição dos reinos inferiores ao reino hominal. A longa resposta da questão 613 nos indica a parca informação que mesmo os Espíritos Superiores ainda tem, ou que ainda não é o tempo apropriado para o homem conseguir compreender.

“O ponto de partida do Espírito é uma dessas questões que se prendem ao princípio das coisas e estão no segredo de Deus. Não é dado ao homem conhece-las de maneira absoluta,  e ele não pode fazer, a esse respeito, senão suposições, construir sistemas mais ou menos prováveis. Os próprios Espíritos estão longe de conhecer tudo. Podem também. Ter opiniões pessoais mais ou menos sensatas”. 

Através dessa colocação entendemos porque existem diferentes correntes entre os pensadores espíritas, alguns estabelecendo seu inicio mineral, outros onde se inicia a vida, no protoplasma e outros somente no reino hominal.

Continuando ainda na resposta a questão 613, com as explicações de Kardec:

“Segundo alguns, o Espírito não alcança o período de humanidade senão depois de ser elaborado e individualizado nos diferentes graus dos seres inferiores da criação. Segundo outros, o Espírito do homem teria sempre pertencido a raça humana sem passar pela experiência animal”.

Na resposta a questão 540 do L.E., as entidades nos deixam uma linha de raciocínio a seguir:

“... É assim que tudo serve, tudo se coordena na Natureza, desde o átomo primitivo até o arcanjo que, ele mesmo começou pelo átomo...”

4 PARTE O PSIQUISMO E SUA EVOLUÇÃO
Jorge Andréa, em impulsos Criativos da Evolução, nos ilustra a evolução do principio inteligente no quadro abaixo. O desenvolvimento do psiquismo desde sua forma mais simples, a finidade até o complexo-pensamento-modelação.

É mostrado de forma gráfica associando ao psiquismo o binômio determinismo-livre arbítrio bem como a escalada espiritual respectiva.

5 PARTE A EVOLUÇÃO DO TIPO HUMANO NA TERRA
Os hominídeos são os antecedentes do homem e sua evolução segundo a Ciência se apresenta na figura acima. Iniciando com o Ramapitecus (forma primitiva do Australopitecus), há 10 milhões de anos, vem logo a seguir o Australopitecus há 4 milhões de anos, o Homo Habilis há 2 milhões de anos, o Homo Erectus há 500 mil anos, o Homo Sapiens (Neandertal) há 100 mil anos e o Homo Sapiens-Sapiens (Cro-Magnon) há 30 mil anos.

Um dos erros mais comum no estudo da evolução do homem é a afirmação que o homem descende do macaco. Nenhum primata vivo é o ancestral do homem. A semelhança dos grupos que ainda vivem decorre da ancestralidade comum.

O esqueleto mais antigo já encontrado pelo homem é o denominado Luci, com 3,5 milhões de anos trata-se de um Australopitecus bípede de postura erecta e 1 m de altura.

Hoje a Ciência tem conhecimento que o berço desses antepassados era o sul e o centro do continente africano e sua dispersão pelo mundo se deu a 25 mil anos atrás.

O volume do crânio do homem desde o australopitecos até o homo sapiens-sapiens subiu de 550 cm3 para 1500 cm3

6 PARTE QUADRO DA EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE HUMANA
Faremos um comparativo das diferentes atividades do homem desde os primórdios nas cavernas, seguindo dos indígenas formando agrupamentos maiores e com relativa organização (nas Américas e na África).

Em seguida trataremos do Homem Rural como sendo aquele que já se fixava em sua propriedade perdendo a mobilidade ou situação nômade. Seriam os antigos feudos na Europa ou as civilizações a margem dos grandes rios.

Passamos ao home atual urbano que vive nas pequenas, medias e grandes cidades.

Apresentamos uma proposta do homem que se desenvolverá nos próximos 2 ou 3 séculos ap qual denominamos o home universal.


O quadro mostra como o psiquismo na fase hominal se aprimorou. A aquisição de conhecimento e a elevação da moral e da ética conduzem o ser humano dos agrupamentos primitivos pré-historicos onde prevalecia toda carga psíquica animal até as sociedades pós-contemporâneas designadas como universal onde o psiquismo adquire características intelectivas, éticas e espirituais.

A análise de cada item do quadro de forma individualizada notamos a caminhada do ser humano em direção a uma vida equilibrada, harmônica, criativa e feliz.

7 PARTE  DA INFÂNCIA ESPIRITUAL AO ESPÍRITO CRÍSTICO
O dualismo experimento-aprendizado é a ferramenta evolutiva. As leis naturais e a vontade individual são as forças que podem se contrapor ou se alinhar reforçando uma a outra.

As leis se encontram de forma insipiente dentro do ser e vão se desvelando à medida que a vivencia se efetua. A vontade pode estar em contraposição ou no sentido da lei.

A transformação da vontade em ação tem como consequência uma reação do meio que poderá ser em concordância com as leis ou em oposição a elas. Ocorrendo a concordância há satisfação harmonia entre o indivíduo e o conjunto. No segundo caso haverá preponderância do conjunto sobre o ser, do todo sobre a unidade.

E assim se desenvolve o aprendizado do viajor em direção a esferas superiores.

8 PARTE CONCLUSÃO
A resposta dos Espíritos Superiores a Kardec na pergunta 115 do Livro dos Espíritos nos diz que “Deus criou todos os Espíritos simples e ignorante, quer dizer, sem ciência: .

Isso nos faz entender que, seja a creação do princípio inteligente no reino hominal ou anterior a ele, os espíritos que tem o gérmen divino com todos Seus atributos na forma potencial efetuam as experimentações junto a matéria e aos poucos vão atualizando suas potencialidades.
Alan Krambeck

9 PARTE MÁXIMA/ LEITURAS E PREPARAÇÃO PARA PRÓXIMA AULA
Próxima aula:
Livro 3 – cap 12 – A REENCARNAÇÃO – VIDAS MÚLTIPLAS
Leitura:
REENCARNAÇÃO SEGUNDO A BIBLIA E CIÊNCIA – José Reis Chaves – Edit M Claret
O LIVRO DOS ESPÍRITOS – Allan Kardec – Edit FEB
REENCARNAÇÃO – Richard Simoneti – CEAC Edit

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por sua mensagem. Será publicada após aprovação.

imprimir pdf