Translate

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

LEI DE REPRODUÇÃO - Poligamia

L.E. - Poligamia
 
700 A igualdade numérica aproximada entre os sexos é um indício da proporção em que eles se devem unir?
     —Sim, pois tudo tem um fim na Natureza.(1)
      701. Qual das duas, a poligamia ou a monogamia, é mais conforme à lei natural?
      A poligamia é uma lei humana, cuja abolição marca um progresso social. O casamento, segundo as vistas de Deus, deve fundar-se na afeição dos seres que se unem. Na poligamia não há verdadeira afeição: não há mais do que sensualidade.
Comentário de Kardec:  Se a poligamia estivesse de acordo com a lei natural devia ser universal, o que, entretanto, seria materialmente impossível em virtude da igualdade numérica dos sexos.
      A poligamia deve ser considerada como um uso ou uma legislação particular apropriada a certos costumes e que o aperfeiçoamento social fará desaparecer pouco a pouco.(2)




(1) 0 Espiritismo é ideológico, tanto do ponto de vista físico quanto do ético: as coisas materiais e os latos morais, o mundo e o homem, tudo tem uma finalidade mas não de ordem antropológica. Muitas vezes ela contraria ou escapa ao pensamento do homem. Isso deu motivo à reação antiteleológica da Filosofia moderna. A Ciência, por sua vez, tratando apenas do plano objetivo, não viu mais que “um ângulo do quadro da Natureza” e restringiu-se às “condições determinantes”. Sua natureza analítica não lhe permite abranger o sentido das coisas e dos fatos. Henri Bergson, porém, em L’Évolution  Créatice desenvolveu a teoria do ela vital, segundo a qual todo o curso da evolução, partindo da matéria mais densa, dirige-se à liberação da consciência no homem, aparecendo este como o fim último da vida na Terra. Essa é a tese espírita da evolução, até os limites da vida terrena. Mas o Espiritismo vai além, admitindo a “escala dos mundos”, através da qual a evolução se processa no infinito, sempre com a finalidade da perfeição. (N. do T.)

(2) 0 impulso poligâmico do homem não é um instinto biológico, mas um simples resquício das fases anteriores de sua evolução. Não sendo irracional, nem controlado pelas leis naturais das espécies animais, ele tem o dever moral de refrear esse impulso e sublimar a sua afetividade através do amor conjugal e familiar. É pela razão e o livre-arbítrio que ele se controla, elevando-se conscientemente acima das exigências biológicas e das ilusões sensoriais. Se esse  controle lhe parece difícil, maior é o seu dever de realizá-lo, porque maior é a sua necessidade de evolução nesse campo e também porque “o mérito do bem está na dificuldade”, como se vê no item 646 deste livro. (N. do T.)

LEI DA REPRODUÇÃO - Casamento e Celibato

L.E. - Casamento e Celibato
 
695. O casamento, ou seja, a união permanente de dois seres é contrária à lei da Natureza?
      É um progresso na marcha da Humanidade.

      696. Qual seria o efeito da abolição do casamento sobre a sociedade humana?
      O retorno à vida dos animais.
Comentário de Kardec: A união livre e fortuita dos sexos pertence ao estado de natureza. O casamento é um dos primeiros atos de progresso nas sociedades humanas, porque estabelece a solidariedade fraterna e se encontra entre todos os povos, embora nas mais diversas condições. A abolição do casamento seria, portanto, o retorno à infância da Humanidade e colocaria o homem abaixo mesmo de alguns animais que lhe dão o exemplo das uniões constantes.

      697. A indissolubilidade absoluta do casamento pertence à lei natural ou apenas à lei humana?
      E uma lei humana muito contrária à lei natural. Mas os homens podem modificar as suas leis; somente as naturais são imutáveis.

      698.0 celibato voluntário é um estado de perfeição, meritório aos olhos de Deus?
     Não, e os que vivem assim, por egoísmo, desagradam a Deus e enganam a todos.

     699. O celibato não é um sacrifício para algumas pessoas que desejam devotar-se mais inteiramente ao serviço da Humanidade?
     Isso é bem diferente. Eu disse: por egoísmo. Todo sacrifício pessoal é meritório, quando feito para o bem; quanto maior o sacrifício, maior o mérito.
 Comentário de Kardec: Deus não se contradiz nem considera mau o que ele mesmo fez. Não pode, pois, ver um mérito na violação de sua lei. Mas se o celibato, por si mesmo, não é um estado meritório, já não se dá o mesmo quando constitui, pela renúncia às alegrias da vida familiar, um sacrifício realizado a favor da Humanidade. Todo sacrifício pessoal visando ao bem e sem segunda intenção egoísta eleva o homem acima da sua condição material.

LEI DA REPRODUÇÃO - Obstáculos na Reprodução

L.E. Obstáculos na Reprodução

693. As leis e os costumes humanos que objetivam ou têm por efeito  criar obstáculos à reprodução são contrários à lei natural?
      — Tudo o que entrava a marcha da Natureza é contrário à lei geral.

      693 – a) Não obstante, há espécies de seres vivos, animais e plantas, cuja reprodução indefinida seria prejudicial às outras espécies e das quais, em breve, o próprio homem seria vitima. Seria repreensível deter essa reprodução?
      — Deus deu ao homem., sobre todos os seres vivos, um poder que ele deve usar para o bem, mas não abusar. Ele pode regulara reprodução segundo às necessidades, mas não deve entravá-la sem necessidade. A ação inteligente do homem é um contrapeso posto por Deus entre as forças da Natureza para restabelecer-lhes o equilíbrio, e isso também o distingue dos animais, pois ele o faz com conhecimento de causa. Os animais concorrem, por sua vez, para esse equilíbrio, pois o instinto de conservação que lhes foi dado faz que, ao proverem à própria conservação, detenham o desenvolvimento excessivo e talvez perigoso das espécies animais e vegetais de que se nutrem.

      694. Que pensar dos usos que têm por fim deter a reprodução, com vistas à satisfação da sensualidade?
      — Isso prova a predominância do corpo sobre a alma e o quanto o homem está imerso na matéria.

LEI DA REPRODUÇÃO -Sucessão e aperfeiçoamento das raças

L.E. - Sucessão e aperfeiçoamento das raças

688. Há neste momento raças humanas que diminuem evidentemente; chegará um momento em que terão desaparecido da Terra?
     — Isso é verdade; mas é que outras lhes tomaram o lugar, como outras tomarão o vosso, um dia.

     689. Os homens de hoje são uma nova criação ou os descendentes aperfeiçoados dos seres primitivos?
     — São os mesmos espíritos que voltaram para se aperfeiçoarem em novos corpos, mas que ainda estão longe da perfeição. Assim, a raça humana atual que, por seu crescimento, tende a invadir toda a Terra e substituir as raças que se extinguem, terá também o seu período de decrescimento e extinção. Outras raças mais perfeitas a substituirão, descendendo da raça atual, como os homens civilizados de hoje descendem dos seres brutos e selvagens dos tempos primitivos.

     690. Do ponto de vista puramente físico, os corpos da raça atual são uma criação especial ou procedem dos corpos primitivos, por via de reprodução?
     — A origem das raças se perde na noite dos tempos, mas como todos pertencem à grande família humana, qualquer que seja o tronco primitivo de cada uma, puderam mesclar-se e produzir novos tipos.

     691. Qual é, do ponto de vista físico, o caráter distintivo e dominante das raças primitivas?
     — Desenvolvimento da força bruta, em detrimento da intelectual. Atualmente dá-se o contrário: o homem faz mais pela inteligência do que pela força física, e no entanto faz cem vezes mais, porque colocou a seu serviço as forças da Natureza, o que não fazem os animais.

     692. O aperfeiçoamento das raças animais e vegetais pela Ciência é contrário à lei natural? Seria mais conforme a essa lei deixar as coisas seguirem o seu curso normal?
     — Tudo se deve fazer para chegar à perfeição. O próprio homem é um instrumento de que Deus se serve para atingir os seus fins. Sendo a perfeição o alvo para que tende a Natureza, favorecer a sua conquista é corresponder àqueles fins.

     692 – a) Mas o homem é geralmente movido, nos seus esforços para o melhoramento das raças, apenas por interesse pessoal, que não tem outro objetivo senão o aumento de seu bem-estar; isso não diminui o seu mérito?
      — Que importa que o seu mérito seja nulo, contanto que se faça o  progresso? Compete a ele tornar meritório o seu trabalho, através da intenção. Ademais, por meio desse trabalho ele exercita e desenvolve sua inteligência e é sob esse aspecto que tira maior proveito.

LEI DA REPRODUÇÃO - População do Globo



  L. E. - População do Globo 

686 A reprodução dos seres vivos é uma lei natural?
        — Isso é evidente; sem a reprodução o mundo corpóreo pereceria.
        687. Se a população seguir sempre a progressão constante que vemos, chegará um momento em que ela se tornará excessiva na Terra?
        — Não. Deus a isso provê, mantendo sempre o equilíbrio. Ele nada faz de inútil. O homem, que só vê um ângulo do quadro da Natureza, não pode julgar da harmonia do conjunto. (1)



(1) A população do mundo continua em intenso crescimento (veja-se Problación Mundial, de A M Carr Saunderes, Fondo de Cultura Econômica, México, 1939), mas os jogos de equilíbrio da própria Natureza são visíveis para os observadores do movimento demográfico. Por outro lado, na proporção em que cresce a população, a Ciência e a Técnica aumentam as possibilidades de produção e de aproveitamento de regiões inabitadas. As apreensões e o pessimismo de Malthus e seus discípulos dão bem um exemplo do que seja “ver apenas um ângulo do quadro da Natureza”. Leia-se, em A Marca da Violência, de Fred Werthan, edição Ibrasa, São Paulo, 1968, o capítulo O Mito de Malthus, que mostra a atualidade da posição espírita nesse terreno. (N.do T.)




terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

LEI DO TRABALHO - LEI DIVINA




 É só olhar ao meu redor para ver que nada está parado na natureza e graças a isso, tudo funciona harmoniosamente.

Jesus disse “MEU PAI TRABALHA ATÉ HOJE” e JESUS TAMBÉM TRABALHA!

ELE mostrou, através dos exemplos, que quanto mais amor tiver no coração, maior será minha vontade de trabalhar...

O trabalho é importante, desenvolve a inteligência e proporciona a subsistência; com ele eu compro comida, compro roupas, pago minha moradia, e tudo o que preciso para o meu bem estar.

Porém, há o trabalho espiritual, onde eu vou adquirir educação moral. Os irmãos de Luz dizem que nosso Planeta está muito evoluído na parte material, porém na parte moral NÃO!

E é com o  trabalho moral que vou educar o meu espírito para deixar de ser orgulhoso, vaidoso, raivoso,... Ensinando meu espírito a ser tolerante, humilde, bondoso...

E Isso, requer trabalho, muita força de vontade, porque não é fácil, o instintos está à flor da pele.

Hoje, tenho inteligência e razão. Ferramentas de trabalho. Com elas, Jesus espera que além de viver minhas obrigações diárias que eu faça algo mais... Que me transforme que me ilumine.

Então ao trabalho!!!


Elaine Saes

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Guarda-te em Deus





Lembra-te de Deus para que saibas agradecer os talentos da vida.

Se fatigado, pensa Nele, o Eterno Pai que jamais desfalece na Criação.

Se triste, eleva-Lhe os sentimentos, meditando na alegria solar com que toda manhã, Sua Infinita Bondade dissolve das trevas.

Se doente, centraliza-te no perfeito equilíbrio com que sua compaixão reajusta os quadros da Natureza, ainda mesmo quando a tempestade haja destruído todos os recursos que os milênios acumularam.

Se incompreendido, volta-te para Ele, o Eterno Doador de todas as bênçãos, quantas vezes escarnecido por nossas próprias fraquezas, sem que se Lhe desanime a paciência incomensurável, quanto aos arrastamentos de nossas imperfeições animalizantes.

Se humilhado, entrega-Lhe as dores da sensibilidade ferida ou do brio menosprezado, refletindo no celeste anonimato em que se Lhe esconde a inconcebível grandeza, para que nos creiamos autores do bem que a Ele pertence, em todas as circunstâncias.

Se sozinho, busca-Lhe a companhia sublime na pessoa daqueles que te seguem na retaguarda, cambaleantes de sofrimento, mais solitários que tu mesmo, na provação e na miséria que lhes vergastam as horas e lhes crucificam as esperanças.

Se aflito, confia-Lhe as ansiedades, compreendendo que Nele, o Imperecível Amor, todas as tormentas se apaziguam.

Seja qual for a dificuldade, recorda o Todo-misericordioso que não nos esquece.

E, abraçando o próprio dever como sendo expressão de Sua Divina Vontade para os teus passos de cada dia, encontrarás na oração a força verdadeira de tua fé, a erguer-te das obscuridades e problemas da Terra para a rota de luz que te aponta as sendas do céu.

Emmanuel


Francisco Cândido Xavier / Waldo
Vieira – O Espírito da Verdade



Lei do Trabalho - O Consolador questão 225 a 231

225 — Como entender a salvação da alma e como consegui-la?
— Dentro das claridades espirituais que o Consolador vem espalhando nos bastidores religiosos e filosóficos do mundo, temos de traduzir o conceito de salvação por iluminação de si mesma, a caminho das mais elevadas aquisições e realizações no Infinito.

Considerando esse aspecto real do problema de “salvação da alma”, somos compelidos a reconhecer que, se a Providência Divina movimentou todos os recursos indispensáveis ao progresso material do homem físico na Terra, o Evangelho de Jesus é a dádiva suprema do Céu para a redenção do homem espiritual, em marcha para o amor e sabedoria universais.

Jesus é o Modelo Supremo.
 
O Evangelho é o roteiro para a ascensão de todos os Espíritos em luta, o aprendizado na Terra para os Planos superiores do Ilimitado. De sua aplicação decorre a luz do Espírito.

No turbilhão das tarefas de cada dia, lembrai a afirmativa do Senhor: — “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida.” Se vos cercam as tentações de autoridade e poder, de fortuna e inteligência, recordai ainda as suas palavras: — “Ninguém pode ir ao Pai senão por mim.” E se vos sentis tocados pelo sopro frio da adversidade e da dor, se estais sobrecarregados de trabalhos no mundo, buscai ouvi-Lo sempre no imo dalma: — “Quem deseje encontrar o Reino de Deus tome a sua cruz e siga os meus passos.”

226 — Os guias espirituais têm uma parte ativa na tarefa de nossa iluminação pessoal?
— Essa colaboração apenas se verifica como no caso dos irmãos mais velhos, ou dos amigos mais idosos nas experiências do mundo.

Os mentores do Além poderão apontar-vos os resultados dos seus próprios esforços na Terra, ou, então, aclarar os ensinos que o homem já recebeu através da misericórdia do Cristo e da benevolência dos seus enviados, mas em hipótese alguma poderão afastar a alma encarnada do trabalho que lhe compete, na curta permanência das lições do mundo.

Que dizer de um professor que decifrasse os problemas comuns para os alunos?

Além disso, os amigos espirituais não se encontram em estado beatífico. Suas atividades e deveres são maiores que os vossos. Seus problemas novos são inúmeros e cada Espírito deve buscar em si mesmo a luz necessária à visão acertada do caminho.

Trabalhai sempre. Essa é a lei para vós outros e para nós que já nos afastamos do âmbito limitado do círculo carnal. Esforcemo-nos constantemente.

A palavra do guia é agradável e amiga, mas o trabalho de iluminação pertence a cada um. Na solução dos nossos problemas, nunca esperemos pelos outros, porque, de pensamento voltado para a fonte de sabedoria e misericórdia, que é Deus, não nos faltará, em tempo algum, a divina inspiração de sua bondade infinita.

227 — Deus concede o favor a que chamamos graça?
— São tão grandes as expressões da misericórdia divina que nos cercam o Espírito, em qualquer Plano da vida, que basta um olhar à natureza física ou invisível, para sentirmos, em torno de nós, uma aluvião de graças.

O favor divino, porém, como o homem pretende receber no seu antropomorfismo, não se observa no caminho da vida, pois Deus não pode assemelhar-se a um monarca humano, cheio de preferências pessoais ou subornado por motivos de ordem inferior.

A alma, aqui ou alhures, receberá sempre de acordo com o trabalho da edificação de si mesma. É o próprio Espírito que inventa o seu inferno ou cria as belezas do seu Céu. E tal seja o seu procedimento, acelerando o processo de evolução pelo esforço próprio, poderá Deus dispensar na Lei, em seu favor, pois a Lei é uma só e Deus o seu Juiz Supremo e Eterno.

228 — A autoiluminação pode ser conseguida apenas com a tarefa de uma existência na Terra?
— Uma encarnação é como um dia de trabalho. E para que as experiências se façam acompanhar de resultados positivos e proveitosos na vida, faz-se indispensável que os dias de observação e de esforço se sucedam uns aos outros.

No complexo das vidas diversas, o estudo prepara; todavia, somente a aplicação sincera dos ensinamentos do Cristo pode proporcionar a paz e a sabedoria, inerentes ao estado de plena iluminação dos redimidos.

229 — Como entender o trabalho de purificação nos ambientes do mundo?
— A purificação na Terra ainda é qual o lírio alvo, nascendo do lodo das amarguras e das paixões.

Todos os Espíritos encarnados, porém, devem considerar que se encontram no planeta como em poderoso cadinho de acrisolamento e regeneração, sendo indispensável cultivar a flor da iluminação íntima, na angústia da vida humana, no círculo da família ou da comunidade social, através da maior severidade para consigo mesmo e da maior tolerância com os outros, fazendo cada qual, da sua existência, um apostolado de educação onde o maior beneficiado seja o seu próprio Espírito.

230 — Como iniciar o trabalho de iluminação da nossa própria alma?
— Esse esforço individual deve começar com o auto domínio, com a disciplina dos sentimentos egoísticos e inferiores, com o trabalho silencioso da criatura por exterminar as próprias paixões.

Nesse particular, não podemos prescindir do conhecimento adquirido por outras almas que nos precederam nas lutas da Terra, com as suas experiências santificantes — água pura de consolação e de esperança, que poderemos beber nas páginas de suas memórias ou nos testemunhos de sacrifício que deixaram no mundo.
Todavia, o conhecimento é a porta amiga que nos conduzirá aos raciocínios mais puros, porquanto, na reforma definitiva de nosso íntimo, é indispensável o golpe da ação própria, no sentido de modelarmos o nosso santuário interior, na sagrada iluminação da vida.

231 — Considerando que numerosos agrupamentos espíritas se formam apenas para doutrinação das entidades perturbadas, do Plano invisível, quais os mais necessitados de luz: os encarnados ou os desencarnados?
— Tal necessidade é comum a uns e outros. É justo que se preste auxílio fraterno aos seres perturbados e sofredores, das Esferas mais próximas da Terra; entretanto, é precisa convir que os Espíritos encarnados carecem de maior porcentagem de iluminação evangélica que os invisíveis, mesmo porque, sem ela, que auxílio poderão prestar ao irmão ignorante e infeliz? A lição do Senhor não nos fala do absurdo de um cego a conduzir outros cegos?

Por essa razão é que toda reunião de estudos sinceros, dentro da Doutrina, é um elemento precioso para estabelecer o roteiro espiritual a quantos desejem o bom caminho.

A missão da luz é revelar com verdade serena. O coração iluminado não necessita de muitos recursos da palavra, porque na oficina da fraternidade bastará o seu sentimento esclarecido no Evangelho. A grande maravilha do amor é o seu profundo e divino contágio. Por esse motivo o Espírito encarnado, para regenerar os seus irmãos da sombra, necessita iluminar-se primeiro.

.Emmanuel
 

O Imperativo da Ação

Explanavam os aprendizes, acaloradamente, sobre as necessidades de preparação para o Reino Divino.
 
Filipe, circunspecto, salientava o impositivo da meditação. Tiago, o mais velho, opinava pelo retiro espiritual; os discípulos do movimento renovador, a seu ver, deviam isolar-se em zona inacessível ao pecado. João optava pela adoração constante, chegando ao extremo de sugerir o abandono das atividades profissionais, por parte de cada um, a fim de poderem entoar hosanas contínuos ao Pai Amantíssimo. Bartolomeu destacava a necessidade do jejum incessante, com abstenção de todo contacto com as pessoas impuras.
 
Chamado à manifestação direta pela palavra indagadora de Simão, Jesus perguntou, nominalmente:
 
— Pedro, qual é a água que desprende miasmas pestilenciais?
 
— Sem dúvida — respondeu o apóstolo, intrigado —, é a água estagnada, sem proveito.
 
Sorridente, dirigiu-se ao filho de Alfeu, indagando:
 
— Tiago, qual é o peixe que flutua inerte na onda?
 
— É o peixe morto, Senhor — redarguiu o discípulo, desapontado.
 
— Bartolomeu, qual é a terra que se enche de matagais daninhos à plantação útil?
 
O interpelado pensou, pensou e esclareceu:
 
— Indiscutivelmente, é a terra boa desprezada, porque o solo empedrado e áspero é quase sempre estéril.
 
O Mestre, evidenciando sincera satisfação, concentrou a atenção em Tadeu e inquiriu:
 
— Tadeu, qual é a túnica que se converte em ninho da traça destruidora?
 
— É a túnica não usada.
 
Endereçando expressivo gesto a Judas, interrogou:
 
— Que acontece ao talento sepultado?
 
— Perde-se por inútil, Senhor.
 
Logo após, assinalou com o olhar um dos filhos de Zebedeu e falou, mais incisivo:
 
— Tiago, onde se acoitam as serpentes e os lobos?
 
— Nos lugares em ruína ou votados ao abandono.
 
— André — disse o Cristo, fixando o irmão de Pedro —, qual é, em verdade, a função do fermento?
 
— Mestre, a missão do fermento é dar vida ao pão.
 
Em seguida, pousando nos companheiros o olhar penetrante e doce, acrescentou, bem humorado:
 
— O tempo está repleto de adoradores e a miséria rodeia Jerusalém. Se a luz não serve para expulsar as trevas, se o pão deve fugir ao faminto e se o remédio precisa distanciar-se do enfermo, onde encontraremos proveito no trabalho a que nos propomos? O Reino Divino guarda o imperativo da ação por ordem fundamental. Sigamos para diante e propaguemos a verdade salvadora, através dos pensamentos, das palavras, das obras e de nossas próprias vidas. O Todo-Sábio criou a semente para produzir com o infinito.
 
 Desce do alto a claridade do Sol cada dia para extinguir as sombras da Terra. Não é outro o ministério da Boa Nova. Amar, servindo, é venerar o Pai, acima de todas as coisas; e servir, amando, é amparar o próximo como a nós mesmos. Pautar-se por estas normas, em nosso movimento de redenção, é praticar toda a Lei.
 
 Neio Lúcio - Jesus no Lar

Sempre chamados


O cristão é chamado a servir em toda parte.

 Na casa do sofrimento, ministrará consolação.

  Na furna da ignorância, fará esclarecimento.

  No castelo do prazer, ensinará a moderação.

  No despenhadeiro do crime, sustará quedas.

  No carro do abuso, exemplificará sobriedade.

   Na toca das trevas, acenderá luz.

  No nevoeiro do desalento, abrirá portas ao bom ânimo.

  No inferno do ódio, multiplicará bênçãos de amor.

   Na praça da maldade, dispensará o bem.

  No palácio da justiça, colocar-se-á no lugar do réu, a fim de examinar os erros dos outros.

Em todos os ângulos do caminho, encontraremos sugestões do Senhor, desafiando-nos a servir.

.André Luiz 
Agenda Cristã
 

imprimir pdf