Translate

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

CURSO DE FILOSOFIA ESPÍRITA - LIVRO 3 CAP 12





A REENCARNAÇÃO - VIDAS MÚLTIPLAS

BIBLIOGRAFIA

FILOSOFIA ESPÍRITA E SEUS TEMAS – Manuel P São Marcos – Edit FEESP
REENCARNAÇÃO – Richard Simonetti –CEAC Editora
O LIVRO DOS ESPÍRITOS – Allan Kardec – IDE – Cap IV e V do Livro II
REENCARNAÇÃO SEGUNDO A BIBLIA E A CIENCIA – Jose Reis Chaves – Ed. Martin Claret
REENCARNAÇÃO – O ELO PERDIDO – Elizabeth Prophet – Edit Nova Era
FILME O CONCÍLIO

REFLEXÃO

REENCARNAÇÃO X RESSURREIÇÃO

É o título do livro de um teólogo reformado onde ele busca explicar que a ideia reencarnacionista não tem apoio científico.

Depois de inúmeras investidas científicas, ele demonstra biblicamente a apostasia da ideia da reencarnação.

Quanto ao ressurreicionismo não apresenta nenhuma evidencia científica. Sua argumentação é toda sobre as visões descritas na Bíblia.

Visões estas descritas por pessoas que desconheciam fenômenos que só nos tempos atuais passam a ser entendíveis.

Estaríamos numa sociedade que apesar de viver no século XX ainda raciocina em termos da época de Jesus?

1ª PARTE: OBJETIVO DESTA AULA
Esta aula tem por finalidade estudar o conceito de reencarnação, seus fundamentos e suas consequências. Investigar também onde e quando o na história do pensamento humano esse conceito foi
usado de forma filosófica, religiosa ou científica.

2ª PARTE: INTRODUÇÃO
O conceito de reencarnação não é recente apesar de o termo ter surgido somente no século XIX.
Para os orientais a concepção de múltiplas vidas é algo que transita com certa normalidade. Já entre os ocidentais o termo soa como heresia.

A forte influencia da igreja católica e das igrejas reformadas no pensamento ocidental erradicou
de vez o conceito de seus fundamentos. Substituiu-a pela vida única. Apesar de nos primeiros séculos do cristianismo o conceito de reencarnação ser algo natural.
Os muçulmanos também não aceitam o princípio reencarnacionista.

3ª PARTE: CONCEITO DE REENCARNAÇÃO
A Doutrina Espírita é dualista, isto é, parte de que o homem é composto de corpo e espírito. O corpo é efêmero e o espírito, eterno.

O espírito, entende-a, tem várias experiências junto à carne, ou seja, várias existências. Assim, um mesmo espírito habitando a carne várias vezes, em épocas distintas.
Em cada existência ocorre um novo encarne, ou um reencarne. Portanto, a REENCARNAÇÃO é o processo onde o espírito volta habitar o corpo físico proporcionando uma nova existência. Com a extinção do corpo, o espírito retorna a pátria espiritual, ficando no aguardo de uma nova experiência carnal.

4ª PARTE: REENCARNAÇÃO OUTROS TERMOS USADOS
O termo REENCARNAÇÃO segundo o dicionário inglês Shorter Oxford surgiu pela primeira vez em 1858, definida como sendo o ato de encarnar novamente, voltar à carne. A Teologia até esta época não utilizava este termo e sim outros, com significados distintos. Essas outras terminologias são dadas como sinônimos de reencarnação, mas tem seus próprios conceitos, quase todos diferentes do conceito de reencarnação. São eles os termos:

PALINGENESE- É sinônimo de REENCARNAÇÃO. É um vocábulo grego que significa PALIN =  de novo e GENESE = geração. Este termo é usado em filosofia como RENOVAÇÃO, MELHORIA ou REFORMA. Foi muito usado por PLATÃO e por NIETZSCHE.

RESSURREIÇÃO-  É diferente de reencarnação. O termo aparece com frequência na Bíblia. Na época o termo REENCARNAÇÃO inexistia. Significado: ao morrer a alma se afasta, por muito ou pouco tempo em seguida retorna ao mesmo corpo.

Os ressurreicionistas apresentam como única prova a ressurreição de Jesus.

Cientificamente sabemos da impossibilidade de ocorrer a ressurreição, pois a matéria se transforma em outros corpos.
Este conceito é que prevalece em todas as religiões ditas “cristãs”.

METEMPSICOSE- É diferente de reencarnação. É um vocábulo grego que significa transmigração
da alma de um corpo a outro inclusive nos animais. Este termo foi muito utilizado na Grécia antiga vindo das religiões orientais que traduz a crença de que o homem ao morrer, sua alma transmigra para novo corpo humano, animal ou planta. Estes com objetivo de expiação

Os não reencarnacionistas procuram confundir a opinião de leigos dizendo que reencarnação e
metempsicose são sinônimos.

METENSOMATOSE- É um vocábulo grego que significa transformação de um corpo em outro. Este termo foi muito utilizado por PLOTINO (205 -270 dC) renomado exegeta juntamente com Orígenes, S. Jerônimo e outros no cristianismo primitivo.

METENSARCOSE -É um vocábulo grego, ainda em uso na Grécia onde à METEN = mudança + SARK = carne

5ª PARTE: VIDA ÚNICA X VIDAS MÚLTIPLAS
A ideia de reencarnação esta vinculada à ideia de múltiplas vidas. Por isso é a pedra angular das concepções religiosas.

As religiões se dividem em reencarnacionistas e não reencarnacionistas e a partir disto estruturam toda a sua doutrina.

A interpretação das palavras de Jesus quando citou que para ver o Reino de Deus era necessário nascer de novo, pode dar origem a sentido de vidas múltiplas ou de transformação.

O problema maior das religiões ao admitir vidas múltiplas é o de estabelecer o que a alma faz ou onde se situa no período inter-existencias.

As doutrinas de vida única fatalmente deságuam no Céu (Paraíso) e no Inferno.

6ª PARTE: O “DOGMA” DA REENCARNAÇÃO X INDÍCIOS DE REENCARNAÇÃO
A palavra “dogma” usada na questão 222 do Livro dos Espíritos causa um certo desconforto ante a ideia de racionalidade inerente ao Espiritismo.

Chama-se Dogma, o postulado fundamental de uma doutrina, religião ou sistema, que, por sua natureza não admite crítica repreensiva. Neste sentido qualquer estatuto de uma instituição é dogmático porque as regras devem ser obedecidas rigidamente. E a finalidade é benéfica só que torna seus participantes autômatos e inibem o poder de questionamento. Como exemplo citamos os regulamentos e disciplinas militares. O aspecto benéfico seria no caso de seus participantes entenderem o sentido de harmonia que ela trás em seu bojo.

Dogmática é toda lei que não admite exceção, devendo ser obedecida em concordância com o que estabelece, sob pena de sanção.

No caso tratado em o Livro dos Espíritos o termo dogma não se encaixa na sua definição clássica pois muitos são os indícios do processo reencarnatório. A Ciência Acadêmica aos poucos desperta para fenômenos comprovadores das vidas múltiplas. Entre estes podemos citar a TVP, a Transcomunicação Instrumental, a Parapsicologia, e os inúmeros casos levantados por pesquisadores do assunto. Portanto é um dogma que esta preste a ser reconhecido pela sua real existência.

Concluindo, a Razão nos mostra que sem a reencarnação muitos questionamentos ficam sem respostas. Muitos, porém, preferem a solução de que “ é melhor não pensar, pois só Deus o sabe”.

7ª PARTE: A HISTORIA DO REENCARNACIONISMO – O ANO DE 553
O reencarnacionismo é uma ideia nada recente. Perde-se na noite dos tempos e o Espiritismo reconhece isto. Entretanto, a ideia reencarnacionista sempre foi tratada sob a forma mística, dogmática, pelos orientais (budistas e hinduístas) e por outros povos ocidentais também (celtas, gregos e hebreus).

Dentre os estudiosos renomados, destacamos o cristão Orígenes que defendia a Pré-existência. da alma, ou seja, ela existia antes da formação do corpo físico.

Foi, entretanto, o Concílio de Constantinopla II em 553 DC que erradicou de vez a ideia reencarnacionista do seio da Igreja. Isto tornou todo o Ocidente anti-reencarnacionista (A Reencarnação Segundo a Bíblia e a Ciência de Jose Luis Reis Chaves).

8ª PARTE: O REENCARNACIONISMO E A BÍBLIA
Devemos inicialmente reconhecer que o termo Reencarnação não poderia jamais ser encontrado na Bíblia visto que sua epistemologia é recente, datada do século XIX.

Podemos, entretanto, citar inúmeros trechos bíblicos onde a ideia reencarnacionista é muito clara e que, se o termo na época existisse, estaria no seu contexto.

Dentre os textos bíblicos, aqueles que mais claramente falam da ideia reencarnacionista são:
1-) a vinda de Elias como João Batista – Mt 17, 9 a 13 2 -) diálogo de Jesus com Nicodemus – Jo 3, 1 a 15 3-) o cego de nascença -Jo 9, 1 a 3

Os ressurreicionistas frequentemente levantam a Epístola de Paulo aos Hebreus (Hb 9, 27) na qual é afirmado que ao homem esta destinado morrer uma única vez e em seguida ocorre o Julgamento.

Entendemos ser fraco este argumento pelos seguintes motivos:
1º) o corpo físico morre uma única vez, já o espírito tem vida eterna (esta tese esta condizente com o reencarnacionismo).

2º) o julgamento citado na epístola não implica necessariamente que seja o Juízo Final. A Doutrina Espírita admite ocorrer um balanço após cada existência e a próxima ser programada em função desse resultado.

3º) a epístola é de duvidosa procedência, pois sua atribuição a Paulo não é confirmada, portanto sendo apócrifa pode ter sido inserida nos livros bíblicos com intenções de reforço à tese anti-reencarnatória.

9ª PARTE: A INFLUENCIA DO REENCARNACIONISMO NAS ATITUDES HUMANAS
As atitudes humanas estão intimamente ligadas ao seu pensar metafísico. Sendo a ideia reencarnacionista de ordem metafísica, ousaria dizer que o comportamento do homem oriental (espiritualizado, tranquilo e desprendido) e do homem ocidental (ansioso, bélico, utilitarista, empírico, predador, consumista e individualista) está vinculado ao reencarnacionismo.

10ª PARTE: ESTUDOS RECENTES DE REENCARNAÇÃO
A partir do século XIX a ideia reencarnacionista apresentou estudos mais sistematizados deixando o caráter místico de até então. Como estudos recentes podemos citar os seguintes pesquisadores e os respectivos trabalhos escritos

1-) Albert de Rochas (França) –1911 – As Vidas Sucessivas

2-) Innocenzo Calderone (Itália) –1931

3-) Morey Bernstein (EUA) –1956 -O Caso Bridey Murphy

4-) Ian Stevenson (EUA) –1966 - 20 Casos sugestivos de Reencarnação

5-) Hernani G. Andrade (Brasil) – 1976 – Reencarnação no Brasil

6-) Hemendra Nath Banerjee (Índia) – Novos campos de estudo e até novas Ciências se abriram onde está implícita a ideia reencarnacionista. Podemos citar a Terapia de Vidas Pregressas, a Transcomunicação Instrumental e a Parapsicologia, tirando assim o caráter místico e dogmático e apresentando um caráter científico a reencarnação.

11ª PARTE: CONCLUSÃO
Aproximadamente a metade da humanidade é hoje reencarnacionista e no Brasil apesar da grande maioria católica (74%) essa proporção se mantém (50% de reencarnacionistas).

A ressurreição, a Vida Eterna, o Céu, o Inferno, o Purgatório, o Dilúvio e a Arca de Noé são entendimentos que a vida moderna cada vez mais tem dificuldade em aceitar por ser anticientíficas.

O homem no dilema de sua aceitação ou não acaba por se voltar às sociedades secretas, as doutrinas reencarnacionistas ou ao materialismo.

A reencarnação caminha a passos largos dentro da Ciência Acadêmica através dos novos campos que tratam do psiquismo.

A pergunta que se instala é: estarão preparadas as religiões para o dia em que a Ciência comprovar dentro de seus métodos as vidas sucessivas?
Alan Krambeck

12ª PARTE –MÁXIMA / LEITURAS E PREPARAÇÃO PARA PRÓXIMA AULA

Próxima aula: Livro 3 – Cap. 13 - O ESQUECIMENTO DO PASSADO – REGRESSÃO DE MEMÓRIA- TVP

Leitura:
FILOSOFIA ESPÍRITA -Tomo II –Manoel São Marcos –Edit FEESP
MUITOALÉM ALEM DOS NEURONIOS – Núbur Facure – Edit AMESP
OS PODERES DA MENTE – Sueli Caldas
O LIVRO DOS ESPÍRITOS – Allan Kardec – Edit FEB
REENCARNAÇÃO – Richard Simoneti CEAC Edit

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por sua mensagem. Será publicada após aprovação.

imprimir pdf