Translate

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Justiça

Betsaída era o centro de muitas atenções, devido à permanência, por algum tempo, ali, do Divino Amigo, dos seus admiradores e, principalmente, dos irmãos da comunidade em Cristo. Nas ruelas e praças, reuniam-se criaturas discutindo sobre a fama de Jesus, se ele era realmente o Messias. Pairava no ar um composto de fé e de dúvida da massa humana. Ao passar por esses grupos, alguns dos discípulos viam-se questionados de todas as formas, e apenas abençoavam a todos, sem que a resposta fosse a solução. Ainda não havia a ordem "ide e pregai". A edificação doutrinária, dentro de cada um, estava por se fazer. O Mestre começara o plantio, sem se descuidar da assistência aos seus companheiros do coração. Apareciam, por vezes, certos agitadores para desmoralizar a doutrina nascente. Porém, enquanto isso, surgiam novas curas, até mesmo no meio das agitações, e o enfermo, cego ou paralítico, sentia, no íntimo, a presença de Jesus, e gritava, correndo, o nome de Deus e do novo profeta. O ambiente contrário, na sua premeditação, tornava-se força de fé, que se espalha como um raio. Nas cidades circunvizinhas, crescia a esperança de muitos, avolumava-se a alegria dos sofredores, e agigantava-se a convicção no colégio apostolar do grande Nazareno.

Tadeu, o nosso personagem desta mensagem, encontrava-se em um sítio próximo a Betsaida, pertencente a um velho carpinteiro que conhecera seu pai e com ele convivera por muitos por muitos anos, pois a sintonia do trabalho e das ideias os fazia unidos. Tadeu, que ali passara a noite, não conseguiu conciliar o sono. Pensamentos múltiplos o torturavam e a sua razão, por força de circunstâncias tais, desmerecia a própria personalidade, em se tratando de um participante da comunidade de Cristo.

 O que João e Tiago tinham em abundância, nele era escassez. A mente não conseguia armazenar conhecimentos, nem extrair o saber que vinha envolvido nas parábolas. Era preciso a cooperação dos outros e, mesmo assim, o seu esforço se tornava desumano para sentir um pouco daquilo que era abundante para muitos dos discípulos.Todavia, a vida premiou Tadeu com um corpo másculo. Mais parecia um gigante dos contos orientais, porte esbelto, mas de tendências grosseiras. Também os céus não se esqueceram de dar-lhe um coração simples e bom.

Vamos encontrar o gigante hebreu na despedida da madrugada, contemplando as últimas estrelas do firmamento azul, querendo orar sem condições, porque as grossas lágrimas o interrompiam, em virtude das emoções que se estendiam em todos os sentidos, entorpecendo sua fala. Não obstante, seus pensamentos se irradiavam na mais profunda humildade, pedindo a Deus que o dotasse de mais um pouco de inteligência, para que pudesse ouvir e entender Jesus. Sentia-se humilhado diante das exposições filosóficas e doutrinárias dos outros companheiros.

Não vê mais estrelas. Desce as vistas e nota o despontar do Astro Rei, como se fosse a resposta do Pai Celestial para iluminar a sua consciência. Sorri por alguns instantes e pensa firmemente na reunião da noite com o Cristo. Não sente fome nem sede, pelo contentamento e pela esperança nova que nascera em seu coração, e tira o dia para um passeio pelos campos próximos, respirando o ar puro e conversando com a natureza na dimensão que as suas faculdades permitiam.

Quando os últimos raios de sol se apagaram no horizonte de Betsaida, o homenzarrão já se encontrava procurando assento dentro do templo onde se encontrava o Cristo e os outros discípulos. Alí, o tempo era perfeitamente aproveitado. Bastou um simples olhar de Jesus para que a João erguesse uma sentida prece a Deus e aos anjos, buscando ambiente mais favorável no sentido do aprendizado deles. Terminada a oração, notava-se de leve um aroma agradável, que parecia penetrar as mais secretas regiões da alma. Dos olhos, como estrelas, fitavam Tadeu, que logo se dispôs a perguntar.

- Mestre, como sabes, por vezes me constranjo, mas gostaria, com todo o respeito que te dedico, de indagar algo. Mesmo não tendo o direito de acusar ninguém e nem intenções de julgar os atos de Deus, queria o teu pronunciamento acerca da Justiça, pois em vários momentos parece-me ver o contrário nos fatos diários.

Jesus, bem  acomodado no madeiro improvisado, abre as comportas do seu magnânimo olhar e anuncia, sorrindo brandamente com íntima alegria pela pergunta de Tadeu:

- Tadeu, a lei da Justiça é uma realidade nos ajudando a todos. Se nos sentimos injustiçados nas ocorrências da vida, é por nos faltar capacidade de entendimento da vontade do Pai Celestial. Em verdade te digo que nem um astro desses que embeleza o infinito desaparece fora de hora, como a queda de uma folha não se dá em momento errado. Tudo, mas tudo se ajusta à harmonia universal, sem perda de um til na escrita de Deus. O que percebeste, como fenômeno da vida e das coisas, interpretando como injustiça, podemos afirmar sem arrogância, meu filho, que é a manifestação da Justiça perfeita, porquanto ninguém recebe o que não merece nem aquilo que não pode suportar no seu avanço espiritual. Consideramos maravilhoso a criatura amar e, além disso, achamos mais importante ainda a alma que sabe por que esta amando. Creio que nenhum dos presentes tem coragem de acusar o Criador pelos distúrbios íntimos de cada um e pelas hecatombes que se processam no panorama do mundo. Esses fatos, dentro e fora de nós, consomem vidas e mais vidas, fazem jorrar rios de lágrimas e sangue, deixam multidões de viúvas e incontáveis crianças órfãs, que não têm coragem de se acusarem. Apesar disso, vivem em dúvidas atrozes, dispensando forças do coração e da inteligência, em circulo vicioso, sem o devido proveito.

Deixa que o silêncio os ajude a gravar o que ouviram, e prossegue com dignidade:

- Eis que, se compreendermos os desígnios do Senhor, se pelo menos atentarmos no porque das coisas, tudo se aclara. As leis que imperam como Justiça somente são vistas com bons olhos, quando as analisamos com sabedoria. Do contrário, ficamos nos debatendo no ambiente agressivo da ignorância.

Tadeu, depois de alguns momentos, sem nada ouvir do Mestre, se manifesta, apressado:

- Então?

Jesus, envolvido em meiguice espontânea, adianta-se, estendendo sua vontade:

- Quando somos dotados de força física, Tadeu, é justo saber como usar essa força. Juiz, só um o é, e a ele pertencem todos os direitos de aplicar a lei de reação das ações executada. Se queres saber, é bom que logo te conscientizes disso: os meios de ser útil à coletividade e a si mesmo são incontáveis, sem anunciar o dever de ser caridoso, pois Deus está em toda parte. Ele vê antecipadamente o ato benevolente, o gesto que em primeiro lugar harmoniza a consciência de quem o pratica, em todos os casos. A Justiça aplicada pelas mãos humanas, além do escândalo, tem interesse em anunciar uma valentia que está impulsionada pela vaidade e, para tanto, existem as leis criadas pelo Senhor que nunca se esquece daquilo que deve ser dado a cada criatura, atuando, também, como vigilante na defesa daqueles que são realmente inocentes. Basta, para os que se reúnem em nome de Deus nesta assembleia, confiar na Justiça universal e procurar entender a mensagem dos céus, que desponta em todos os fatos do mundo, e os fatos do mundo íntimo que afloram para cada alma. Se existe cativeiro forçado, prisões infectas e carrascos sem coração, a revolta marca uns e outros, já que são águas da mesma fervura. A observação nos diz que se usa a bigorna de ferro para amoldar o ferro, com o malho do próprio ferro.

- Pelo que conhecemos - continua Jesus - temos outros caminhos melhores, para pregar e executar a justiça pelo bem no domínio do amor mais puro. É bom que eu diga e que compreendais bem depressa: não falo para os mortos na carne e sim para os despertos em espírito e verdade. A ninguém julgo,pois não estou aqui para isso, vim para que conheçais o amor, porque somente ele tem o poder, no coração das criaturas, de estender a felicidade, pra que nenhuma das ovelhas se perca nos labirintos do ódio. Quem se preocupa em demasia com Justiça não tem condições para fazer a benevolência, quando intenta misturar a caridade com ela, a exigência empalidece o amor.

Jesus compreende bem o maior problema que aflige Tadeu. Deixa que ele analise pacientemente o assunto em conversação e acrescenta, com humildade:

- Meus filho, não queiras ser o que ainda não podes suportar. A inveja, mesmo sendo tocada pelo clarão da boa vontade, carrega consigo o azinhavre da maledicência. Todo invejoso se esquece das suas próprias qualidades que, por vezes, dormem, desperdiçando as forças que gasta, invejando. A cobiça não deixa que repares na carência de muitas qualidades do invejado e queres, com isso, tirar dele o que ele tem para suprir as tuas deficiências. Não é, porventura, isso, a maior injustiça?

Finalmente em tom paternal, ajusta os pensamentos de todos os presentes, com esta expressão:

- Eu estou aqui para servir e me empenho com todos os companheiros para que me ajudem. Estendamos as mãos para quem quer que seja e falemos aos ouvidos de quem quer que queira ouvir, para que o amor a Deus sobre todas as coisas seja o primeiro entendimento entre os homens, a fim de que não falte o amor ao próximo.

Ainda restava muita gente fora do casarão, esperando a saída dos companheiros do Nazareno, que às vezes vinha também em contínuas conversações. De longe, via-se Tadeu pela sua estatura helênica, protegendo a saída do Mestre que, de mansinho, tocava os homens e as mulheres, que avançavam em direção a ele, pedindo misericórdia, pedindo curas, pedindo paz, pedindo tudo,como até hoje acontece,mas sem que ninguém perceba, a caravana desaparece por entre a multidão.

extraído do livro Ave Luz de João Nunes Maia pelo espírito de Shaolim.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por sua mensagem. Será publicada após aprovação.

imprimir pdf