Translate

segunda-feira, 10 de julho de 2017

CURSO DE FILOSOFIA ESPÍRITA - LIVRO 3 CAP 22


ALMA E ESPÍRITO – COMPOSIÇÃO DO PERISPÍRITO

BIBLIOGRAFIA
PERISPÍRITO - Zalmino Zimmermann – Edit Allan Kardec
O LIVRO DOS ESPÍRITOS – Allan Kardec – Edit FEB
O QUE É O ESPIRITISMO – Allan Kardec – Edit FEB
DICIONÁRIO DE FILOSOFIA ESPÍRITA – J Palhano Jr – Edit CELD
MANUAL DOS CATECUMENOS – Rev Ludgero Braga – Ig Presbiteriana do Brasil

REFLEXÃO
AFINAL, ALMA OU ESPÍRITO?
O homem na sua existência física é trino: espírito, perispírito e corpo físico onde nenhuma dessas partes vive isoladamente – nessa situação a alma é o espírito encarnado.
O Espírito na existência chamada espiritual é dual: espírito e perispírito, já a alma seria una conforme Kardec em O Que É O Espiritismo.
Na perfeição se encontra Deus enquanto a criação, se mantém na perfectibilidade. Esta se aproxima assintoticamente da perfeição.
Somente na perfeição a camada perispiritual deixaria de existir.
A alma em sendo una, ou seja, o espírito sem perispírito, concluiríamos que ela não existiria de forma isolada?

1ª PARTE: OBJETIVO DESTA AULA
Esta aula tem por finalidade esclarecer os conceitos de alma, espírito e perispírito, pois, são termos que dentro da doutrina por vezes não ficam muito claros. As diferentes doutrinas têm seus conceitos próprios e suas influencias se fazem dentro do Espiritismo.
Visa também esclarecer a composição e a consistência do perispírito, assim como a terminologia usada por outras doutrinas filosóficas ou religiosas.

2ª PARTE: INTRODUÇÃO
Sócrates afirmava de forma incansável que devemos ter os conceitos sempre muito claros para que o discurso sempre seja lógico, transparente e explicito.
Como a doutrina espírita trata em seu conteúdo do espírito e da vida espiritual, necessário se faz a conceituação nítida dos termos empregados durante seu desenvolvimento, tais como alma, espírito e perispírito. Por sua vez este último, sendo o intermediário entre o corpo físico e o espírito, apresenta camadas as quais serão investigadas por nosso estudo.

3ª PARTE: ALMA E ESPÍRITO NA VISÃO ESPÍRITA
Apesar de Kardec e mesmo Leon Denis utilizarem por vezes o termo “alma” ela não é um conceito doutrinário espírita. Dentro do Espiritismo prevalece o termo espírito. Alma foi inúmeras vezes utilizada no sentido de aclarar o neologismo espírito.
Em O Que é o Espiritismo, Kardec procura elucidar o termo espírito ao leitor cuja cultura trazia de forma preponderante o termo alma.
Assim, podemos citar vários locais onde Kardec e Leon Denis se utilizam do termo alma. Na parte 14 do Cap. II de O Que é o Espiritismo – “A alma é, pois um ser simples, o Espírito é um ser dual
e o homem um ser trino”. Em Cristianismo e Espiritismo, pág 219, Leon Denis também fala sobre a alma.
No Livro dos Espíritos, a Introdução ao Estudo da Doutrina Espírita, parte II, Kardec procura esclarecer o que é alma. Lembremos que esta Introdução deu origem a O Que é o Espiritismo. Ele ressalta nessa introdução que alma tem varias conotações em função de sua origem: materialismo, panteísmo, catolicismo ou espiritualismo.
Em nosso curso evitaremos o uso do termo alma apesar de Kardec te-lo utilizado em alguns trechos da codificação, por se tratar de uma palavra extremamente ambígua e formulando inúmeros significados.
Usaremos o termo espírito, perispírito e corpo físico e usaremos Espírito como sendo alma e perispírito. O termo espírito também é aceito como alma dentro da codificação. É mais usual a separação entre espírito e perispírito apesar de Kardec ter citado explicitamente que o perispírito é parte do Espírito, pois não existe alma (ou espírito) e perispírito separadamente.

4ª PARTE: ALMA E ESPÍRITO NA VISÃO DAS RELIGIÕES
Contrariamente a Doutrina Espírita, as demais doutrinas não se utilizam do termo espírito. Nelas o conceito vigente é alma. Deus fez o corpo do homem do barro telúrico, deu-lhe vida e o tornou “alma vivente”. O espírito está associado ao sopro divino nas narinas do homem vivente.
Outras vezes as doutrinas cristãs se referem ao espírito como sendo o Espírito Santo, ou o espírito puro, os anjos.

5ª PARTE: CORPO ESPIRITUAL NA VISÃO ORIENTAL
A concepção oriental daquilo que no ocidente denominamos alma ou espírito, é um corpo espiritual, composto de várias camadas, em diferentes graus de eterização.
Para o budismo o ciclo das reencarnações deixa de existir o ser quando se encontra em estado de total desprendimento das coisas materiais e o seu corpo espiritual se eteriza por completo.

6ª PARTE: PERISPÍRITO – CONCEITO – DESIGNAÇÕES - NATUREZA
A palavra perispírito é própria da doutrina espírita e foi criada e utilizada pela primeira vez por Kardec, na codificação. Ele traçou uma analogia com um fruto que apresenta a sua semente envolta pela polpa, denominada perisperma. Assim, a semente sendo o espírito, o perisperma seria o perispírito. Etimologicamente, o termo peri vem do grego em torno de, e spiritus vem do latim que significa alma ou espírito.

Outras designações para perispírito são:
 psicossoma (André Luiz / F C Xavier)
 corpo espiritual (apostolo Paulo – I Corintios 15, 44)
 corpo fluídico (Leibniz)
 kama-rupa (budismo)
 kha ou bai (sacerdotes egípcios)
 eidolon, okhema, ferouer (grego)
 rouach (cabala) e
 khi (tradição chinesa).

A natureza do perispírito é energética, portanto, material. Em outras palavras, ela provém do elemento básico matéria. Trata-se de uma energia extremamente sutil que sendo na forma eletromagnética teria um comprimento ou formato de onda ainda desconhecido. Uma terceira hipótese seria onda gravitacional ou mesmo outro tipo ainda desconhecido também.
Com isso, seria entendível quando os espíritos responderam como a essência do perispírito ser algo semi-material.

7ª PARTE: PERISPÍRITO – PROPRIEDADES E FUNÇÕES
“Estudos desenvolvidos por autores desencarnados e encarnados identificam já com bastante nitidez, certas qualidades inerentes ao perispírito. Assim, pode ser catalogada como suas as seguintes
propriedades: porosidade, plasticidade, densidade, ponderabilidade, luminosidade, penetrabilidade, visibilidade, tangibilidade, sensibilidade global, sensibilidade magnética, expansibilidade, bicorporeidade, unicidade, perenidade, mutabilidade, capacidade refletora, odor, temperatura.
Essas propriedades, algumas conhecidas de há muito, sustentam o viver interexistencial do ser humano, no presente estágio evolutivo, sendo certo que, em níveis mais avançados de vida, em que o perispírito já alcança mais quintessência, outras qualidades e características poderão marcá-lo” (PERISPÍRITO – Zalmino Zimmermann Edit Allan Kardec – 3ª ed – pág 31).
As principais funções do perispírito são: função instrumental – é o elemento que serve de ligação com o meio que o cerca, de modo que nele aja e dele receba influencias num regime de troca. A segunda função é de individualidade e identificação – o espírito é único e diferenciado e o perispírito como seu envoltório. A identificação se faz através de sua historia pelas diferentes encarnações registradas na tela perispiritica. Uma terceira é a importante função organizadora quando na formação de um corpo físico que se estrutura rigorosamente de acordo com as características que marcam o corpo espiritual. Finalmente, a função sustentadora onde o perispírito ao captar, através dos centros de forças, a energia vital transfere-a paulatinamente para o veiculo físico através dos plexos.

8ª PARTE: PROVAS DA EXISTENCIA DO PERISPÍRITO
As provas da existência do perispírito podem ser divididas em objetivas esubjetivas. Entre as provas objetivas temos os processos de materialização, os fenômenos de quase morte (desdobramento), as fotografias transcendentes, a transcomunicação instrumental e os processos de fotos da aura.
Entre as provas subjetivas destacam-se as sensações de integridade quando ocorre a amputação de um membro persistindo a sensação de sua existência ainda.
A vidência é outro processo subjetivo na comprovação da realidade do espírito. Essa faculdade muito comum entre médiuns espíritas e mesmo não-espíritas.

9ª PARTE: AS CAMADAS DO PERISPIRITO
O Dicionário de Filosofia Espírita de J. Palhano Jr no verbete Perispírito, apresenta as seguintes camadas, partindo do corpo físico:
- Duplo Etérico ou Corpo Etérico
- Corpo Astral ou Emocional
- Corpo Mental – é o envoltório sutil da mente
- Corpo Causal
- Corpo Crístico e
- Corpo Divino
O corpo astral é a camada perispiritual envolvida com os sentimentos e as emoções enquanto o corpo mental esta envolvido com o aspecto intelectual e erudito do homem. Já os corpos causal, crístico e divino seriam as camadas mais sutis do perispírito existentes significativamente nos níveis mais altos da escala espiritual, ou seja os espíritos superiores, angélicos, cristicos e puros.

10ª PARTE: O DUPLO ETÉRICO – A AURA
O Duplo Etérico apresenta também as seguintes denominações: corpo vital, duplo, corpo etéreo, biossoma, corpo ódico (ou aura), corpo bioplasmático. Os hindus denominam pranamayakosha ou veiculo de prana.
A carga de energia vital contida no duplo etérico condiciona basicamente, a maior ou menor longevidade do ser humano ainda que não deixe de ser considerado fatores como a hereditariedade e as efetivas reposições de energia via respiração e alimentação.
O duplo etérico pode ser visualizado através da efluviografia e da kirliangrafia. Com o desencarne o duplo etérico se desintegra.
A aura humana, psicosfera ou fotosfera psíquica (André Luiz), ou fotosfera humana (Leon Denis) é um campo resultante de emanações eletromagnéticas a envolver todo o ser humano, encarnado ou desencarnado. Ela reflete a realidade evolutiva, o padrão psíquico, situação emocional e estado físico, se encarnado.
A aura é conhecida de longa data, mas, estudos em caráter científico foram feitos por Reichenbach no século XIX e pelo casal Kirlian no século XX.
Apresenta uma forma de ovóide circundando corpo e mostrando um aspecto colorido variando em tamanho e em cores. Reichenbach batizou de corpo ódico.

11ª PARTE: ADENSAMENTO E ETERIZAÇÃO DO PERISPÍRITO – CENTROS DE FORÇA
O perispírito está em permanente conjunção com espírito desde a fragmentação do princípio inteligente na sua creação que ocorre a imediata concentração do principio material na forma energética sutil formando o invólucro perispiritual.
À medida que o espírito se aprimora na escala evolutiva a camada perispiritual vai se eterizando.
É no perispírito que se encontram os Centros de Força ou Chacras que são os captadores da energia vital provinda da Terra, planetas, Sol e do cosmos e distribuem para os respectivos plexos que se situam no corpo físico.

12ª PARTE: A MEMÓRIA PERISPIRITUAL
Uma das funções psíquicas mais delicadas a qual pouco se sabe ainda é a capacidade que o espírito tem em fixar experiências, reconhecer locais e situações em forma de lembranças e impressões resultantes de experiências vividas.
Nos processos de TVP podem ser analisados casos onde há evidencia de uma memória perispiritual que ultrapassa uma única existência.
Outro processo que evidencia a memória perispiritual é o conhecido “deja vu”, sensação muito comum de ao ver um local, pessoas ou situações ter a impressão de já ter presenciado tais locais, pessoas ou situações.

13ª PARTE: CONCLUSÃO
Observa-se a distancia que a doutrina espírita se encontra das demais doutrinas religiosas. Nestas, nem se cogita em investigar ou analisar as questões metafísicas seja sob a luz da Razão, seja sob aspecto científico como vemos neste estudo do perispírito. As religiões apresentam simplesmente o aspecto revelador onde o livro sagrado faz as vezes de um livro científico.
Alan Krambeck

14ª PARTE – MÁXIMA / LEITURAS E PREPARAÇÃO PARA PRÓXIMA AULA
Próxima aula:
Livro 3 - Cap.23 - A Morte – As Guerras – As Catástrofes – A Lei da Destruição
Leitura:
LIVRO DOS ESPÍRITOS – Allan Kardec - Edit FEB

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por sua mensagem. Será publicada após aprovação.

imprimir pdf