Translate

sábado, 25 de abril de 2015

Senso Comum

“Todo ponto de vista nada mais é que a vista de um único ponto”

E eis que muitos homens se orgulham ao pronunciar o “seu” ponto de vista onde muitas das vezes se prostram como sendo a única visão existente de determinada temática.

Ao falarmos da Lua, via de regra, nos esquecemos de que ela possui uma face que não nos é visível, uma face oculta e a nossa opinião quase sempre é sobre aquela que vemos, considerando a invisível como não existente ou mesmo, não pensada.

Existem diferentes maneiras de se interpretar ou de se posicionar frente ao mundo. Em outras palavras, uma mesma situação pode ser vista de diferentes ângulos.

Antes de conceituar o senso comum, vamos entender cada termo. O dicionário nos diz que senso é a faculdade de julgar, de sentir, de apreciar. Está aliado a juízo, entendimento, percepção e sentimento. Logo, o senso implica tanto a óptica com o qual olhamos as coisas como quanto a maneira de como nos posicionamos diante delas. Comum seria normal, ordinário, coletivo.

O Senso Comum é, portanto o juízo feito pelo individuo com características de superficialidade, de sem reflexão e de inocência. Ele é o posicionamento formado pela união de informações pacificamente incorporadas.

Suas características são: a imprecisão (conceitos vagos e sem rigor), a incoerência (associação num mesmo raciocínio de conceitos contraditórios) e a fragmentação (conceitos soltos que não abrangem de modo sistemático o objeto estudado).

Fazem parte do senso comum as opiniões impensadas, emitidas por amigos, parentes, vizinhos, jornais, televisão e religião. Sua marca maior é a ausência de reflexão e a aceitação pacífica e inocente. O senso comum se assenta na crença, no dogma e na tradição. Ele pode até não ser falso e

conter informações verdadeiras, mas está sempre envolto com inverdades.
As implicações naturais do senso comum são: a alienação, a manipulação (não tendo

consciência crítica é facilmente manipulável) e a massificação (criação de senso globalizante). 

Alan Krambeck  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por sua mensagem. Será publicada após aprovação.

imprimir pdf