Translate

sábado, 14 de junho de 2014

Amizade

Judas Iscariotes é visto como um personagem traidor, na história do Cristianismo, por religiões que esquecem o cumprimento das profecias. Ele foi mais um instrumento para que o Evangelho se mostrasse vinculado aos dizeres dos profetas do passado, mostrando, com os fatos, a realidade de sua existência divina.

Iscariotes nasceu em uma pequena cidade, situada no ambiente de Judá, que em épocas recuadas, fora o berço e domínio do famoso rei Davi, conhecido pelas conquistas sem precedentes. A aldeia de Judas era localizada no sul da região e mostrava grande escassez na produção de alimentos de primeira necessidade. Contudo, as encostas das montanhas rochosas aliviavam as necessidades mais imediatas, principalmente com a produção de uvas e batatas. Parece que Judas herdou o sobrenome de Iscariotes do seu berço natal, denominado Quiriotes. Vamos apresentar o nosso apreço por esse personagem que aceitou, no mundo espiritual, o desempenho de tarefa tão espinhosa.

Judas Iscariotes fita o sol que começa a se esconder, refletindo seus raios dourados e mortiços no grande lençol das águas do Lago Genesaré. Com passos agitados, caminha às margens do histórico lago. Seus pensamentos fervilham com problemas que o fazem esquecer até a esperança. A subconsciência agita seus mais sensíveis nervos, fazendo registrar na consciência, mais ou menos de leve, desagradáveis ações de um passado distante. Estava em luta consigo mesmo, em sérios conflitos íntimos, para os quais não encontrava solução. Sabia da reunião com o Mestre, naquela noite, mas o impulso de fugir parecia dominar o dever de comparecer, e a luta se mostrava ainda maior. Judas parecia mais uma fogueira humana sob forma de apóstolo.De um lado, pressentia um abismo sem fim, e do outro, vislumbrava o Cristo lhe ofertando as mãos em forma do amor mais puro que conhecera em seus passos no turbilhão da Terra.

Judas, devido ao estado deprimente em que se encontrava, por várias vezes sentia que todos os companheiros eram seus inimigos. Tinha medo de ser traído pelos seus parceiros mais íntimos e nunca confiara em seus próprios pais. A sua depressão era acentuada quando voltava à sua terra natal. A noite chega de mansinho e uma mão invisível toca suavemente sua cabeça agitada, acalmando-a, Judas dobra seus joelhos em uma pequena réstia de areia e busca a Deus pela prece. Lembra-se fortemente de Jesus e dos seus compromissos para com a comunidade apostolar, e parte, mesmo atrasado, para a reunião marcada pelos discípulos com a presença iluminada do Divino Mestre. Entra sorrateiramente no salão, sem ser visto. Porém, vê duas tochas de luz visando-o com esplendente carinho e, sem querer, é envolvido por aquela incrível suavidade. Já com o coração tranquilo, toma assento. vê algumas letras na pequena tora em que Jesus se sentara, que chamam sua atenção: Ave Luz!

Pedro, entendendo a intenção de Jesus, levanta-se e ora com inefável humildade; dentro do salão corria uma brisa portadora de energia espiritual, interligando o amor de Jesus com todos os seus companheiros. Um perfume brando é sentido por todos.

Quando Cristo abre os olhos para abençoar seus discípulos, nota a expressão do olhar de Judas, que se levanta com certo embaraço e fala com interesse:

- Senhor! o que é Amizade, sobre que tanto escuto dos companheiros de aprendizado e cuja eficácia desconheço quase por completo? Não sinto, Mestre, por mais que eu me esforce, Amizade por alguém, será que nasci desprovido dessa virtude, por herança dos meus ancestrais?

Cristo mira Judas, compadecido, e responde, com firmeza:

- Amizade, meu filho, nasce de ideais idênticos. Não queiras desprezar a ti mesmo, nem aos outros, por não sentires ainda a segurança de que precisas com relação aos companheiros. E não podes, por tais motivos, julgar inferiores os teus sentimentos por não serem idênticos aos dos teus semelhantes. Hoje, ao cair da tarde, margeando o Lago de Genesaré, encontravas-te confuso. Ao apelares para a súplica, tudo se clareou para o teu coração torturado. Foi a mão divina que veio ao teu encontro, pela misericórdia de Deus. E depois da súplica, o que fizeste? Tomaste a decisão de nos satisfazer com a tua presença. Continua a usar o poder da prece nas horas de insegurança, sem que tua razão interfira na simplicidade e na espontaneidade desse ato divino.

Judas tornou-se aceso de expectativa. Brilhou no seu íntimo certa esperança. Algo dentro dele dizia do respeito àquele Senhor que falava com tanta sabedoria e que estava presente em lugares nunca suspeitados. Seus pensamentos fervilhavam de emoção e de encanto. Seus lábios sussurraram baixinho, na cadência da disciplina:

- Será que este homem é o próprio Deus entre nós? Estando a sós, somente eu sei o que penso e faço. Como ele me viu andando aflito à beira do Genesaré?

O Mestre deu tempo ao tempo, e prosseguiu sua alocução:

- Judas, meu filho, não podemos exigir Amizade de pessoa alguma. Ela é como os primeiros laços de amor entre as criaturas e se mãos inábeis não conseguem atar esses laços, é de bom grado que não te esmoreças no grandioso labor da conquista pelo trabalho de autoaprimoramento no silêncio da caridade. Nenhum de nós nasce com deficiência, já que isto implicaria na deficiência de Deus, o que seria o absurdo dos absurdos. É justo que creias na paternidade do Senhor, que nos comanda a todos, sem distinção. Vê se há alguma restrição para o ar que respiras, para a água que bebes, para os alimentos que comes. São elementos de vida de caráter universal, semeando a paz e multiplicando a vida em toda a parte, em nome d'Aquele que nos criou por amor.

A assembleia parecia esquecida de que pertencia ao mundo físico, vivendo somente no reino da mente, onde Jesus era a central das emoções espirituais. Judas tentou estender suas indagações, mas o Nazareno prosseguiu, com afabilidade:

- Se queres confiar nos outros, Judas, prepara-te primeiro para que possas confiar em ti mesmo. A Amizade surge da confiança, da certeza de que estás sendo útil, sem que a usura exija algo em troca. Quando vires entre teus irmãos que te rodeiam, inimigos, isso é reflexo do inimigo que alimentas dentro do coração, da dúvida, da maledicência, da ambição e da preguiça. Deves estar atento a isso. Não faças aos outros o que não queres para ti mesmo. Se porventura fores atingido por alguma falsidade, é bom que não esqueças do perdão. Se, por acaso, o teu companheiro não te deu a atenção merecida, espera com humildade, que o tempo, diante da tua educação, irá fazer com que o teu irmão compreenda a necessidade da tua companhia, reparando o gesto impensado, com redobrado carinho em teu favor. Não devemos escolher a quem dedicamos gentilezas, e, o sorriso, ao invés de nos enfraquecer, harmoniza nosso campo de vida. Não negues alegria a ninguém, pois a felicidade caminha também por essas vias.

O Mestre dava a entender que vias as estrelas sem se sujeitar aos obstáculos do telhado. Corria os olhos para cima, estampando em seu nobre rosto uma expressão encantadora. Deixando que o silêncio dominasse o ambiente, espera alguns minutos. Ninguém se manifesta.

Judas, nesse momento, regredia no tempo e no espaço. Fazia viagens em pensamento, descortinando lugares que nunca pensara existir. Lembra-se firmemente de Deus e vê em Cristo a figura mais autorizada para falar sobre as leis do Criador. Deduz então que sua magnânima presença apaga todas as figuras de todos os reis da Terra, de todos os sacerdotes do mundo, e confunde todos os sábios de todas as filosofias.

Jesus, quase tranfigurado, acentua com delicadeza:

- Judas, se queres mesmo ter Amizade, não deixes que falte fidelidade em teus pensamentos, palavraseatos, porque aqueles que queres como amigos, talvez esperem isso de ti. Nós todos temos volumosos compromissos para com os céus e é de justiça que cumpramos os nossos deveres diante de Deus, nosso Pai Celestial, e da nossa consciência, que é Ele, igualmente, dentro de nós. Se o amor nasce da Amizade, a Amizade aparece do esforço que dedicamos a aquisição do amor.Começa hoje mesmo a sentir amor por toda a criação, para que possas chegar aos homens com acenuada segurança e tenhas a certeza de que ficara em vão esse exercício espiritual. O sol nasce para todos, assim a chuva, assim a Amizade de Deus para conosco e de nós para com os nossos semelhantes. Trabalha e serve indistintamente, que a vida marcará, sem a figuração dos erros, todos os teus tentos de labor no bem imortal.

Judas estava emocionado, por ouvir tantas palavras sábias. Mantinha-se de pé, por respeito ao Senhor. De seus olhos cerrados rolavam lágrimas se conta. Os onze companheiros pareciam tranquilos, mas também choravam por dentro, de tanta alegria espiritual. Eles escreviam nos corações, com o dedo da inteligência, letras de luz ligadas aos ensinos ministrados pelo divino doador, naquela noite inesquecível em que Judas Iscariotes, pela vidência, descobriu, brilhando na cepa de madeira onde Jesus se sentava, a expressão: Ave Luz...

extraído do livro Ave Luz de João Nunes Maia pelo espírito de Shaolim.






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por sua mensagem. Será publicada após aprovação.

imprimir pdf