Translate

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Deus

O primeiro desafio que temos a enfrentar quando ousamos entender Deus, é o da limitação. É do senso lógico que o limitado não abrange o ilimitado. A parte não absorve o todo. O relativo não se sobrepõe ao abstrato, nem o finito descreve com plenitude o infinito.
Alguém pode pensar simploriamente que uma gota do oceano seja capaz de lhe desvendar os mistérios. Concordamos em parte que sim. A essência, os elementos químicos formadores de suas moléculas, algumas formas de vida nela existentes, as transformações relativas aos fenômenos físico-químicos poderiam fornecer pálida ideia do conjunto formado pelo oceano.
Mas daí a aventurar-se a mar alto confiando nessas informações, é candidatar-se a decepções e desenganos frustrantes. Descobriria de imediato o navegante, os inumeráveis pluricelulares marinhos, as formas de vida exuberantes que lhe ultrapassariam em centenas de vezes o peso e o tamanho; os abismos obscuros; as correntes indomáveis; as tormentas bruscas; os segredos que esperam os heróis incansáveis para a pesquisa e o trabalho fecundos. Deus em nosso estágio de entendimento, tem a grandeza que a nossa inferioridade permite ver. Nós O olhamos com os olhos de catarata. À proporção em que nossa ciência e sabedoria atuarem como bisturi da ignorância que nos torna cegos, nosso cristalino terá menos opacidade, permitindo que os raios de luz da verdade, em sucessivas raspagens reencarnatórias nos permita vê-Lo, como sentenciou o Espírito da Verdade.
Claro está que jamais o veremos circunscrito a um local específico, nem conseguiremos descrevê-lo em dimensões e formas. Nós o entenderemos relativamente e com Ele nos identificaremos em essência e destinação.
Dizem alguns tolos cujo orgulho lhes põe cera aos ouvidos e vendas aos olhos: se Deus existe, prove-o!É o segundo desafio. O da demonstrabilidade. Poderíamos dizer-lhes o  mesmo, utilizando de sua ótica retorcida. Se Ele não existe, prove-o!
No entanto, seria gastar tempo e energia, fazendo-nos de mestres que não somos, quando para tais alunos o mestre tem muitos nomes: frustração, vazio, desengano, dor, e no final do curso, aceitação.
Podemos, no entanto, lembrar a quem de interesse sadio se arme, que o sentimento e a certeza da existência de Deus são universais. Da crença mais bizarra nos Espíritos primitivos até a intelectualidade mesmo fria. Deus é a razão, lei Criador do universo.
Quando em vez alguém tenta negar a existência do ser supremo ou deixá-lo ausente das construções universais. Tal foi a infeliz conclusão de Nietzsche ao  afirmar a morte de Deus, e a singular resposta de Pierre de Laplace a Napoleão Bonaparte, quando este lhe interrogou sobre a obra do importante matemático, intitulada "Mecânica Celeste": Escrevestes este enorme livro sobre o sistema do mundo sem mencionar uma só vez o autor do Universo? Perguntou Napoleão. E Laplace respondeu com mais respeito ao imperador que a Deus: Senhor, não senti necessidade dessa hipótese.
Trinta anos após a morte de Laplace, sai na Europa "O Livro dos Espíritos" cuja pergunta número um é: Que é Deus? Essa pergunta abriu de vez as portas do Além para a Humanidade. E a sua resposta (Inteligência suprema, causa primeira de todas as coisas) deixou claro que as portas do céu estão abertas para quem as queira conquistar através da caridade.
Em "O Evangelho Segundo o Espiritismo" falam os Espíritos superiores que, nos mundos mais atrasados onde a força bruta é a lei, no fundo tenebroso das inteligências de seus habitantes encontra-se latente a vaga intuição de um ser supremo, mais ou menos desenvolvida.
Pela observação e questionamento de si e do Universo, o Espírito terá milhões de provas materiais e filosóficas de uma ordem mantenedora, de uma harmônica diretriz que a tudo impulsiona ruma à perfeição. Todas as equações e fórmulas científicas do nosso mundículo atestam a existência de Deus, mas nem todos partilham de igual visão.
Os racionalistas, tomando a razão como via natural do conhecimento, só aceitam Deus racionalmente. Muito bem! Eles  estão satisfeitos com a sua meia verdade. Os que defendem a supremacia da fé, entendem que jamais o Espírito encontraria Deus pela razão, pois só na fé, existem condições indispensáveis para o desabrochar da luz espiritual. Esses estão crentes na sua meia verdade.
Convivendo com ambos, os vinculados ao plano das emoções rejeitam a razão e optam pelo sentimento afirmando: Deus não pode ser racionalizado, apenas sentido. Esses estão acomodados em sua meia verdade. Se Deus está em tudo, todos os caminhos desaguam em sua plenitude. Juntando as meias verdades teremos uma meia verdade aproximada de Deus, ainda de acordo com o nosso estágio de semi-analfabetos da ciência espírita.
Objetivistas e subjetivistas em suas buscas filosóficas enquanto sadias, ampliarão a cada dia o pensamento sobre Deus, até que descubram que ambos estão corretos e incompletos. O problema exige a atuação da mente e a melodia do coração.
Apreende-se desse fato que todos possuem argumentos na busca pelo conhecimento teológico. Só aquele que procura negar a existência de um ser superior é que os possui. E se julga detê-los, eis a lógica  inflexível que os devora, deixando-o aturdido frente à sua imaturidade espiritual.
Deus nesta obra será tratado como causa primeira de todas as coisas, o que pode criar a substância e a essência, cabendo ao Espírito, manejar, planejar, direcionar, auxiliar, supervisionar, mas nunca decidir em grau maior, de vez que as leis divinas já incluem a decisão em seu âmago. O Espírito decide através do seu livre-arbítrio em questiúnculas, pois em última instância prevalecem as leis divinas, dotadas de determinismo inexorável e a culminar na sabedoria, beleza, justiça...
Os Espíritos agem portanto sob o comando de uma diretriz já delineada, cujo fatalismo é sentido obrigatório. À proporção em que escapam da faixa grosseira da ignorância e adentram a sutileza das emoções sublimadas, mais corroboram com esse determinismo.
Se quisermos entender um pouco da grandiosidade de Deus, procuremos entender e conhecer a nós mesmos, criados à Sua semelhança, e estimemos o que é, e do que será capaz o poder amoroso de Deus.
Sem contaminar a palavra hoje tão vulgarizada e tomada com representação de sentimentos e atitudes até mesquinhas, diria que Deus é fonte inesgotável de amor. A fonte que move e sustenta a bipartição de um simples protozoário e a estabilidade das imensas galáxias bordadas de bilhões de sóis. Por esse motivo não pune, não castiga, não é guerreiro, não obriga, não distribui chagas ou medalhas para nenhuma de suas criaturas.
Como energia criadora criou a lei, e como ninguém é forte fora da lei, ausentando-se dela, a ela retorna por absoluta falta de opção. A vida não deixa alternativa. É seguir Deus ou sofrer. E como ninguém se adapta à dor, embora muitos com ela convivam por largos anos, acaba cedendo ao chamamento do amor, após a lapidação imposta por esse mestre tão enérgico, mas tão solicitado no mundo atual, qual seja, o sofrimento.
É um conforto saber da existência de Deus e ter a segurança de que não somos órfãos em tão extenso Universo.

O Perispírito e suas modelações - Luiz Gonzaga Pinheiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por sua mensagem. Será publicada após aprovação.

imprimir pdf