Translate

terça-feira, 9 de julho de 2013

A Questão da Dor

Esse elemento tão visível e presente em um planeta como a Terra, está bem no cap. 19 do livro Ação e Reação, de André Luiz, psicograf/ Francisco Cândico Xavier.
Segundo o Instrutor Druso, identificamos na experiência terrestre três tipos de dores: A dor-evolução, a dor-expiação e a dor auxílio.
Referindo-se diretamente ao caso dos animais, Druso afirma: "A dor é ingrediente dos mais importantes na economia da vida em expansão. O ferro sob o malho, a semente na cova, o animal em sacrifício, tanto quanto a criança chorando, irresponsável ou semiconsciente, para desenvolver os próprios órgãos, sofrem a dor-evolução, que atua de fora para dentro, aprimorando o ser, sem a qual não existiria progresso".
Perce-se que a dor-evolução, cujo objetivo notório é o aprimoramento do ser, nada tem que ver com atos do passado. É o que ocorre com os animais, não somente aqueles que vivem em nosso meio, como os cães, vítimas de tantas enfermidades e problemas, mas sobretudo com os que vivem em plena selva. Imaginemos o sofrimento de uma presa abatida por seu predador e estraçalhada antes mesmo de ocorrer sua morte corpórea!
A dor-expiação, que vem dentro para fora, marcando a criatura no caminho dos séculos, detendo-a em complicados labirintos de aflição, com o objetivo de regenerá-la perante a Justiça Divina, é coisa bem diferente. Existem acidentes inúmeros e enfermidades tão penosas que seria um absurdo debitá-los simplesmente à obra do acaso. No livro O Céu e o Inferno ou A Justiça Divina segundo o Espiritismo, Kardec apresenta-nos inúmeros casos e suas vinculações com as existência passadas.
Quanto à chamada dor-auxílio, a explicação dada por Druso revela como a Providência divina não se esquece de nada. Ei-la: "Em muitas ocasiões, no decurso da luta humana, nossa alma adquire compromissos vultuosos nesse ou naquele sentido. Habitualmente, logramos vantagens em  determinados setores da experiência, perdendo em outras. Às vezes, interessamo-nos vivamente pela sublimação do próximo, olvidando a melhoria de nós mesmos. É assim que, pela intercessão de amigos devotados à nossa felicidade e à nossa vitória, recebemos a bênção de prolongadas e dolorosas enfermidades no envoltório físico, seja para evitar-nos a queda no abismo da criminalidade, seja mais frequentemente, para o serviço preparatório da desencarnação, a fim de que não sejamos colhidos por surpresas arrasadoras, na transição da morte. O enfarte, a trombose, a hemiplegia, o câncer penosamente suportado, a senilidade prematura o outra calamidades da vida orgânica constituem, por vezes, dores-auxílio, para que a alma se recupere de certos enganos em que incorrido na existência do corpo denso, habilitando-se, através de longas reflexões e benéficas disciplinas, para o ingresso respeitável na Vida Espiritual".

Extraído da revista o Consolador
http://www.oconsolador.com.br/ano4/186/oespiritismoresponde.html

Um comentário:

  1. Obrigado por esta página de luz e esclarecimentos ,que possamos compreender , fortalecer e praticar os ensinamentos de Jeus.

    ResponderExcluir

Obrigada por sua mensagem. Será publicada após aprovação.

imprimir pdf